Bayer assume venda do Levitra, concorrente do Viagra

A alemã Bayer HealthCare e a norte-americana GlaxoSmithKline anunciaram hoje o fim do acordo de co-promoção do medicamento Levitra (Vardenafila) no Brasil. Segundo o acordo, a Bayer pagará 208 milhões de euros para recomprar os direitos de co-promoção da GSK. O medicamento é indicado para o combate à impotência sexual masculina e concorre com o Viagra, da Pfizer.A Bayer estima que no primeiro bimestre deste ano haverá um impacto negativo de aproximadamente 118 milhões de euros na receita líquida, mas que, em 2006, o faturamento aumentará. Uma diferença de 90 milhões de euros, resultado de uma compensação de pagamentos antigos, já foi feita.A transferência dos direitos para a Bayer também afetará os maiores mercados da Europa, Ásia-Pacífico, África, América Latina e Canadá, onde o produto era promovido pelas duas empresas. Segundo o presidente da Divisão HealthCare no Brasil, Sérgio Oliveira, a equipe brasileira está preparada para assumir a comercialização de Levitra.Ele afirma que o pessoal já está treinado e com dedicação exclusiva ao produto, capaz de manter, neste ano, os bons resultados de 2004. Para Sérgio, a experiência de co-promoção com a GSK também foi muito positiva no Brasil. No início deste ano, a companhia alemã anunciou a integração da Roche Consumer Health, negócio adquirido em 2004.O fim da parceria não afetará os Estados Unidos, onde a co-promoção de Levitra continua entre a Bayer e GSK (através da distribuição da Schering-Plough). Também não haverá mudança no acordo de co-marketing na Itália, onde a Bayer comercializa o produto como Levitra e a GSK comercializa como Vivanza. Em outros países, o medicamento já é comercializado exclusivamente pela Bayer ou pela GSK.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.