carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

BB anuncia redução de juros em quatro linhas de crédito

O vice-presidente de Varejo e Distribuição do Banco do Brasil, Antonio Francisco Lima Neto, anunciou hoje a redução dos juros cobrados pela instituição em quatro linhas de crédito oferecidas às micro e pequenas empresas. Em média, essa redução de juros é de 0,95 ponto porcentual ao ano.A avaliação do dirigente do banco é que a queda "é expressiva", visto que a redução da taxa Selic, a taxa básica de juros da economia, pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central não é a única variável que afeta a composição dos juros bancários. "Considerando todos os custos, tanto operacionais, fiscais e de inadimplência que afetam a conta, foi uma redução significativa", afirmou Lima Neto.Na linha de crédito chamada BB Giro Rápido, cuja taxa mensal caiu de 2,67% mais Taxa Referencial (TR) para 2,57% mais TR, segundo ele, existiam R$ 9,4 bilhões emprestados em dezembro passado, o que representa um crescimento de 16% em relação ao mesmo mês de 2004.O BB informou que, em 2005, emprestou a micro e pequenas empresas um total de R$ 20,2 bilhões, o que representou um crescimento de 17,6% em relação ao ano anterior. A carteira total de empréstimos do banco atingiu, em dezembro, R$ 100 bilhões. Sobre as taxas de juros cobradas nos empréstimos às pessoas físicas, a expectativa do vice-presidente é que elas também apresentem reduções.FinanceiraO Banco do Brasil pretende lançar, ao longo do primeiro trimestre deste ano, uma financeira para atuar nos segmentos de financiamento de veículos, de produtos em lojas e no crédito pessoal convencional. Com isso, disse hoje o vice-presidente de Varejo e Distribuição do banco, Antonio Francisco Lima Neto, a instituição financeira entrará no ramo de financiamento ao consumidor em geral, atingindo também o público que não é cliente do banco.A meta é iniciar as atividades da financeira pelo financiamento de veículos, cujo mercado atual é estimado pelo Banco do Brasil como algo em torno de R$ 50 bilhões. O BB atua hoje na oferta deste tipo de crédito apenas aos seus clientes. O vice-diretor informou que o BB estuda começar a atuação da financeira em Brasília, Fortaleza, Goiânia, Belo Horizonte, Salvador e Vitória. "Essas praças são onde o banco tem maior liderança e melhores condições de controlar certas variáveis que influenciam o negócio", comentou Lima Neto.Para que o novo ramo de negócios da instituição se torne realidade, no entanto, a direção do banco ainda está concluindo o plano estratégico para submetê-lo ao Banco Central. Lima Neto não soube esclarecer se também será necessária uma normatização específica para a financeira, já que o BB é controlado majoritariamente pelo Tesouro Nacional.O dirigente do banco confirmou, ainda, que o BB estuda também entrar no segmento de financiamento imobiliário, possivelmente ainda este ano. Ele disse, no entanto, que ainda não há um desenho fechado de como será a atuação do banco. "Está no nosso radar ter uma solução para este modelo ainda este ano", afirmou Lima Neto.

Agencia Estado,

13 de janeiro de 2006 | 13h30

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.