finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

BB e Caixa lançam linha de crédito para eletrodoméstico

A Caixa Econômica Federal (CEF) e o Banco do Brasil (BB) vão financiar eletrodomésticos - fogões, geladeiras, máquinas de lavar e televisores ? com recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) no total de R$ 200 milhões. Esses produtos devem ser de fabricação nacional e poderão ser financiados por pessoas físicas.O valor máximo do bem financiado é de R$ 900,00, sendo este mesmo patamar o valor do financiamento máximo. Ou seja, não será possível adquirir um bem por um valor maior e financiar parte dele. De acordo com as regras, portanto, o valor máximo do bem e o valor do crédito ficam em R$ 900,00. O valor mínimo do bem deve ser de R$ 100,00.Para o governo, o principal atrativo do programa de estímulo ao consumo de eletrodomésticos é o prazo dilatado das prestações do empréstimo, de até 36 meses, com carência de até 59 dias para o pagamento da primeira parcela. A taxa de juro mensal é de 2,53% e a prestação não poderá ter valor inferior a R$ 20,00. As contratações desta linha de crédito podem ser feitas a partir de amanhã e a data limite é 31 de dezembro deste ano.ContrataçãoApenas a CEF e o BB estão autorizados a operar esta linha de crédito. Portanto, quem não é cliente destas instituições deverá abrir uma conta. Para as pessoas que já são clientes, o crédito estará automaticamente autorizado. Já os novos clientes interessados no financiamento deverão comprovar renda e estarão sujeitos à análise de risco de crédito.Vale lembrar que aqueles que tiverem conta simplificada - que não exige comprovante de renda - só poderão ter acesso ao crédito para aquisição desses bens caso consigam apresentar algum documento que comprove seus rendimentos. "Não é um crédito pré-aprovado ou rotativo", argumentou o presidente da Caixa, Jorge Mattoso.A partir da liberação do crédito, os clientes destas instituições efetuam a compra do eletrodoméstico em qualquer loja. Será necessário, porém, apresentar a nota fiscal da compra ao banco que liberou o crédito, no prazo máximo de cinco dias úteis após a compra. Isso é necessário para que as prestações sejam calculadas com base na taxa de juros mensal de 2,53%. Caso a nota não seja apresentada dentro do prazo, a operação será considerada um crédito direto ao consumidor e as prestações serão calculadas de acordo com os juros de mercado e são maiores do que as taxas desta linha de crédito. No Banco do Brasil, por exemplo, ela é de 5,3% ao mês.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.