BB estuda aumentar presença nos EUA e na América Latina

Em suas duas agências americanas, banco possui 500 empresas na carteira de clientes; principais são brasileiras

Nalu Fernandes, Agência Estado

02 de dezembro de 2009 | 20h13

O Banco do Brasil está estudando formas de ampliar sua presença nos Estados Unidos e na América Latina. Em entrevista exclusiva em Nova York, o vice-presidente da área internacional do BB, Alan Toledo, acrescentou que o banco também tem planos para aumentar a atuação na África e na Ásia. "Estudamos ampliação para melhor atender às empresas brasileiras e acompanhá-las em sua internacionalização", disse.

 

Nos EUA, o BB tem 500 empresas na carteira de clientes, e entre as áreas de atuação do banco está a concentração da folha de pagamento destas companhias. As principais são empresas brasileiras, acrescentou Toledo.

 

Há duas agências do BB no país, uma em Nova York e outra em Miami. "Nos EUA está a maior comunidade de brasileiros no exterior. O Paraguai abriga a segunda maior, seguida pelo Japão", enumerou Toledo. O Japão conta com 7 agências e Toledo afirmou que o processo de expansão nos EUA deve seguir os moldes do realizado no país asiático.

 

O executivo observou que de cinco anos para cá houve muita internacionalização das empresas brasileiras em países como Argentina, Uruguai, EUA e Austrália. Para ampliar o leque de soluções, os executivos do banco estão analisando os mercados e já começaram estudos para expansão na África e em outras regiões da Ásia.

 

O executivo observou que o BB já tem presença em praticamente todos os países da América Latina, mas também busca ampliação da atuação em alguns países, como Argentina, Chile, Uruguai e Colômbia, onde há maior presença de empresas brasileiras. O BB possui 44 pontos de atendimento no exterior e está presente em 23 países, acrescentou Toledo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.