BB faz acordo com Goldfarb para financiar projetos imobiliários

Empréstimo de R$ 35,5 mi vai financiar 3 empreendimentos que se enquadram no plano habitacional do governo

Fernando Nakagawa e Chiara Quintão, da Agência Estado,

09 de junho de 2009 | 15h12

O Banco do Brasil anunciou nesta terça-feira, 9, acordo com a incorporadora Goldfarb para o financiamento de três empreendimentos imobiliários em São Paulo. O empréstimo de R$ 35,5 milhões destina-se a projetos que se enquadram nas características do programa federal "Minha Casa, Minha Vida".

 

Veja também:

especialVeja como será implantado o plano habitacional do governo

especialEntenda o programa de habitação do governo federal

 

Em comunicado, o BB informa que dois empreendimentos ficam na cidade de São Paulo, um no bairro da Penha, na zona leste, e outro na Freguesia do Ó, na zona norte. Há um terceiro projeto em São José dos Campos, no Vale do Paraíba. Juntos, os três empreendimentos somam 565 unidades habitacionais destinadas às famílias com renda entre três e 10 salários mínimos.

 

Nos moldes do programa, esta é a primeira parceria da Goldfarb com a instituição financeira. Segundo o presidente da empresa, Milton Goldfarb, há nove meses foi dado início à contratação de financiamento imobiliário do Banco do Brasil com recursos de poupança.

 

As condições de financiamento obtidas pela companhia com o Banco do Brasil no programa habitacional foram semelhantes às oferecidas pela Caixa Econômica Federal (CEF). "Trata-se de uma ampliação, de mais um banco trabalhando conosco", disse o presidente da Goldfarb. A companhia tem 40 projetos na CEF nos moldes do pacote, somando-se aprovados e em tramitação, de acordo com o executivo.

 

As obras terão início em 90 dias, com previsão de entrega em 18 meses. Os empreendimentos são destinados a famílias com renda de seis a dez salários mínimos.

 

Em nota, o Banco do Brasil informou que os clientes que se enquadrarem no programa habitacional poderão financiar imóveis em até 30 anos, com taxas que variam de 5% ao ano mais TR a 8,16% ao ano mais TR.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.