BB não pagará indenizações de moradores do Palace 2

O Banco do Brasil informou nesta segunda-feira que não vai pagar as indenizações aos moradores do Palace 2, apesar da ameaça do juiz em exercício da 4.ª Vara Empresarial, Luiz Felipe Salomão, de mandar prender o gerente da agência no Fórum do Rio em caso de desobediência. O impasse diante do pagamento das indenizações começou na sexta-feira, quando uma juíza federal determinou que fossem reservados R$ 24,2 milhões da conta judicial (cujo saldo é de R$ 9,4 milhões) para o pagamento de dívidas de impostos de Sérgio Naya e suas empresas. O entendimento do juiz Salomão e dos advogados das vítimas é que a juíza federal não tem competência para reformar uma decisão da Justiça estadual. "O departamento jurídico do banco decidiu que vai aguardar a decisão sobre qual Justiça vai prevalecer nessa questão. Há um conflito de decisões e vamos esperar ", afirmou a assessora do BB, em Brasília, Raquel Rosa. Ainda na segunda-feira, o juiz Luiz Felipe Salomão assinou mais 73 ordens de pagamento. No total, foram emitidos 83 documentos, no valor de R$ 113.578,13 cada. O BB recebeu as dez primeiras ordens de pagamento na tarde de sexta-feira e o prazo legal de 48 horas para efetuar os depósitos na conta das vítimas termina na terça, dia 27. Salomão encaminhou novo ofício ao banco reiterando que o pagamento seja feito às vítimas. A União também recorreu ao Tribunal de Justiça para decidir a respeito das dívidas com impostos - a alegação é que dívidas fiscais têm preferência de pagamento. A desembargadora da 18.ª Vara Cível, Célia Meliga, pediu mais informações a Salomão e adiou sua decisão. O advogado da Associação de Vítimas do Palace 2, Nélio Andrade, criticou a União por pleitear o dinheiro obtido com o leilão de um hotel feito para beneficiar ex-moradores. "A União nunca foi parte do processo, nunca leiloou nenhum bem de Sérgio Naya para receber as dívidas. Ela ficou como hiena à espera da carniça", criticou. Para Andrade, a indenização das vítimas tem caráter alimentício e por isso tem preferência no pagamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.