BB não tomou posição política ou ideológica, afirma Lula

Presidente diz que compra do Nossa Caixa é apenas uma negociação comercial: 'Não é um problema de partido'

Carolina Ruhman e Fabíola Gomes, da Agência Estado,

21 de novembro de 2008 | 14h09

O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, comemorou a venda da Nossa Caixa para o Banco do Brasil (BB) e negou que a operação tenha tido motivações políticas. "Não é um problema de partido, não é um problema de ideologia, é uma negociação comercial", explicou, em entrevista coletiva após encerrar a Conferência Internacional sobre Biocombustíveis. "O Banco do Brasil não tomou uma posição político-ideológica. O Banco do Brasil fez um negócio", frisou.   Veja também: Bancários se reúnem com BB nesta sexta em Brasília BB e governo de SP fecham acordo sobre venda da Nossa Caixa Ação da Nossa Caixa sobe mais de 80% com interesse do BB Governo age por vaidade, diz associação de minoritários do BB   Lula refutou as críticas de que, com a compra da Nossa Caixa, o governo federal estaria repassando ao governo estadual R$ 5,4 bilhões, o que fortaleceria o governador de São Paulo, o tucano José Serra, para a disputa presidencial em 2010.   O valor refere-se ao montante pago pelo BB para adquirir o equivalente a 71,25% do capital social total da Nossa Caixa nas mãos do governo paulista. "O presidente da República não pode agir com mesquinharia quando se trata do interesse do País e do povo de São Paulo", afirmou. Na avaliação de Lula, a aquisição fortalece o BB no Estado de São Paulo e o torna "mais sólido, mais competitivo, com mais agências e muito mais dinheiro para poder irrigar o crédito no País".

Tudo o que sabemos sobre:
Banco do BrasilNossa CaixaLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.