BB Seguros amplia oferta de garantia de renda agrícola
Imagem Coluna do Broadcast Agro
Colunista
Coluna do Broadcast Agro
Conteúdo Exclusivo para Assinante

BB Seguros amplia oferta de garantia de renda agrícola

'A tendência é de que pelo menos 30% da carteira de milho migre da modalidade de perda de produção para faturamento neste primeiro ano', prevê Paulo Hora, superintendente de Seguros Rurais da empresa

Gustavo Porto, O Estado de S. Paulo

14 de outubro de 2019 | 05h00

A BrasilSeg, empresa da BB Seguros, avança no setor agrícola com o lançamento do seguro faturamento para milho de segunda safra, o “milho safrinha”. No caso de perdas por problemas de clima ou queda de preços, serão restituídos ao produtor de 65% a 80% da renda esperada. A companhia oferece este tipo de apólice desde 2011, quando lançou a proteção para soja. Três anos depois, vieram as modalidades para café e milho de primeira safra. E hoje o seguro faturamento já representa 35% da carteira agrícola da BrasilSeg, com 2 milhões de hectares cobertos. O milho safrinha contribui com 13% dos contratos, mas até agora a oferta se resumia à garantia contra quebra de safra. “A tendência é de que pelo menos 30% da carteira de milho migre da modalidade de perda de produção para faturamento neste primeiro ano”, prevê Paulo Hora, superintendente de Seguros Rurais. A BrasilSeg detém 57% do mercado de seguro agrícola no País. 

Polo produtor

Agricultores de porte médio e também os pequenos são o foco da BrasilSeg – os grandes contam com outras alternativas de proteção. Serão buscados, em especial, clientes no Centro-Oeste, principal região compradora de seguro faturamento e líder na produção de milho safrinha, além de Minas Gerais e oeste do Paraná. “A safrinha de milho ocorre num período de maior risco climático e de possíveis oscilações de mercado”, destaca Hora. “O produtor vem pedindo proteção mais ampla.” 

Oportunidade

O executivo da BrasilSeg evita fazer projeções, mas diz que o R$ 1 bilhão previsto para subvencionar a contratação de apólices no Plano Safra 2019/20 deve impulsionar modalidades de cobertura mais ampla. “O governo vai manter o seguro de faturamento para grãos com um porcentual de subvenção maior em relação a outros produtos, até para estimular a procura por instrumentos que protejam a receita”, diz.

Água fria

A venda de máquinas agrícolas pode terminar 2020 com desempenho inferior ao de 2018, diz Luis Felli, presidente da AGCO para a América do Sul. No começo do ano, a perspectiva era de crescimento de 5% ou mais. No entanto, três meses sem oferta de financiamento, devido ao término dos recursos do Plano Safra 2018/19, prejudicaram o setor. “A visão de hoje é um mercado um pouco abaixo do ano passado, desapontador, porque, em termos de fundamentos, os preços estão bons e tivemos uma safra recorde de grãos”, afirma. 

No futuro

Para 2020, a perspectiva de preço e produção de grãos também é positiva, mas o temor de esgotamento das linhas de crédito segue à espreita. Segundo Felli, na velocidade com que os recursos de financiamento de máquinas e equipamentos estão sendo utilizados, em fevereiro já não haverá mais crédito. É importante pensar em uma ponte até o próximo ano-safra, avalia o executivo, sobre o ciclo que começa em julho de 2020. “Criar alternativas de crédito para não haver uma pausa no financiamento até o próximo Plano Safra é um desafio para o setor e para os bancos.”

Mais mercados

O Ministério da Agricultura pretende abrir 30 novos mercados para produtos agropecuários brasileiros até o fim deste ano. Segundo Flávio Bettarello, secretário adjunto de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, desde o início do ano o País fechou acordos para exportação de 15 produtos. No horizonte de curto prazo, boas novas para o agro brasileiro podem vir do Laos, da Tailândia e do Vietnã. Nos três casos, o setor de proteína animal está no centro das conversas. 

Altos e baixos

A produção brasileira de leite deve encerrar 2019 em 35 bilhões de litros, aumento de 3,5% ante 2018. A estimativa da Superintendência Técnica da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), apesar de positiva, considera um cenário de desaquecimento do consumo de lácteos. Os preços ao produtor em dezembro devem ficar próximos aos de janeiro.

Mais pertinho

A INTL FCStone, consultoria agropecuária que tem crescido também no gerenciamento de risco, se expande no País e deve inaugurar até 2021 mais quatro escritórios no Brasil. Já no ano que vem, Guaxupé (MG), onde está a maior cooperativa de café do Brasil, deve receber uma unidade. Mato Grosso também terá uma filial voltada para grãos. Outra deve chegar na divisa entre Tocantins e o norte da Bahia, com foco em algodão, milho e soja. “O objetivo é estar ainda mais próximo dos produtores”, conta Fábio Solferini, presidente da consultoria no Brasil. A FCStone possui atualmente 10 unidades no País. 

Mais saúde

A Zoetis, companhia de saúde animal, prevê crescer no segmento brasileiro de aves e suínos este ano mais do que o setor em geral. Renato Verdi, diretor da área, atribui o avanço ao maior interesse de pecuaristas em investir na sanidade dos animais, dados os recentes problemas, como a peste suína africana, que sacode o mercado global de carnes. O Brasil tenta se proteger da doença que tem dizimado plantéis de vários países da Ásia.

 

COLABORARAM AUGUSTO DECKER, ISADORA DUARTE e LETICIA PAKULSKI

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.