carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

BB supera Itaú Unibanco e volta a ser o maior banco

O Banco do Brasil (BB) retomou a posição de maior banco brasileiro em ativos, perdida em novembro passado com a fusão entre Itaú e Unibanco. O BB encerrou o segundo trimestre com ativos totais de R$ 598,839 bilhões, ante os R$ 596,387 bilhões do concorrente. O resultado da instituição já considera as incorporações do Besc e do BEP e a aquisição do controle da Nossa Caixa, além da consolidação das participações em empresas financeiras e não financeiras.

VINÍCIUS PINHEIRO, Agencia Estado

13 de agosto de 2009 | 09h49

Os resultados divulgados pelo banco não levaram em conta a compra da participação no Banco Votorantim, que ainda depende da autorização do Banco Central. Considerando os números da instituição, os ativos totais do BB saltariam para R$ 643,234 bilhões se o Votorantim fosse considerado.

No relatório que acompanha o balanço trimestral, o banco estatal atribui o crescimento dos ativos ao aumento das captações e à expansão da carteira de crédito, que avançou 32,8% nos últimos 12 meses e 4,4% no trimestre, para R$ 252,485 bilhões. A estratégia mostrou-se claramente distinta em relação ao Itaú e ao Bradesco, que apresentaram retração no crédito ante os três primeiros meses do ano.

O BB também superou os concorrentes em rentabilidade no segundo trimestre, com retorno sobre o patrimônio líquido médio anualizado de 33,2%, enquanto o Itaú Unibanco encerrou o mês de junho com retorno de 22,3% e o Bradesco, com 23,7%.

O lucro trimestral de R$ 2,348 bilhões do BB, porém, ficou abaixo do Itaú Unibanco, que apresentou resultado contábil de R$ 2,571 bilhões entre os meses de abril e junho. No semestre, o BB lucrou R$ 4,014 bilhões, ante R$ 4,586 bilhões do Itaú. Vale lembrar que os resultados do BB foram influenciados por eventos extraordinários, que trouxeram um ganho líquido de R$ 455 milhões no segundo trimestre. Entre os principais impactos não recorrentes está o ganho de R$ 1,415 bilhão com a venda da participação na VisaNet, compensado por uma despesa com provisão adicional para créditos de liquidação duvidosa de R$ 676 milhões.

Tudo o que sabemos sobre:
Banco do BrasilItauUnibancobancos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.