BBV eleva preço-alvo da Vale para US$ 35,00

A BBV Corretora está elevando o preço-alvo das ações da Companhia Vale do Rio Doce (CVRD) de US$ 30,00 para US$ 35,00 para o final do ano. E reforça a recomendação de compra para estes papéis, com ênfase na compra da Ferteco e da Caemi. De acordo com a analista Catarina Pedrosa, influenciaram na mudança as elevações de preços do minério de ferro e de pelotas e as novas estimativas para taxa de câmbio da corretora. Além disso, a analista ressalta a venda da Bahia Sul, da CSN e da Cenibra, que eleva o potencial de pagamento de dividendos para R$ 9,00 por ação. Para a analista, a depreciação do real impulsiona as receitas da Companhia Vale do Rio Doce (CVRD), baseadas em exportações. "Além disto, as aquisições da Ferteco e da Caemi devem reforçar o controle por parte da CVRD sobre seu principal mercado, o de minério de ferro", considera a analista. De acordo com ela, isso evitaria a entrada da competição internacional no Brasil, "terra do minério de ferro da melhor qualidade do mundo". A BBV Corretora elevou a projeção para o câmbio ao final do ano de R$ 2,05 por dólar para R$ 2,30. Catarina acredita também que a crise de energia doméstica pode dinamizar a lucratividade da CVRD. "Embora seja um dos maiores consumidores de energia do País (representando quase 10% da demanda industrial do Brasil), quase 50% do consumo de eletricidade da Vale ocorre no Norte, onde não está previsto racionamento de energia", diz. "Fechando sua planta de produção de alumínio no Rio de Janeiro, a Vale teria 112 GWh de energia para vender no mercado spot", ressalta a analista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.