BBV reduz preço-alvo de ações da Light

A BBV Corretora revisou as estimativas para as ações ordinárias (ON, com direito a voto) da Light, reduzindo o preço-alvo de US$ 153,3 para US$ 129,7 por lote de mil - sem data prevista para que essa meta seja atingida. Apesar da revisão, a corretora manteve a recomendação de manter as ações, que têm um potencial de valorização de 21%. Os analistas do banco Oswaldo Telles Filho e Victor Galliano dizem também que a reestruturação societária da Light deverá ter efeito neutro para os acionistas minoritários. Essa reorganização envolve a separação dos dois acionistas controladores da Light e da Metropolitana: a AES e a EDF. As duas companhias já anunciaram que irão separar os ativos, de forma que a EDF fique como controladora da Light e a AES, como proprietária da Metropolitana. Para eles as ações da Light tem sido negociadas levando-se em consideração a expectativa do resultado final dessa reestruturação. A BBV acredita que a reestruturação pode ter dois possíveis resultados: a cisão dos ativos ou a venda da participação da Light na Metropolitana. De acordo com Telles Filho e Galliano, no cenário de cisão de ativos, os acionistas minoritários não veriam alteração no valor de suas participações. Considerando a venda da participação na Metropolitana, as ações da Light poderiam ganhar ou perder valor, dependendo do montante do negócio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.