BC afirma que compromisso é com taxa de inflação

O diretor de Política Econômica do Banco Central, Carlos Hamilton Araújo, disse hoje que a autoridade monetária não tem nenhuma meta com relação ao patamar da taxa de juro neutra. Mesmo com a divulgação de um estudo específico sobre o tema no Relatório Trimestral de Inflação e com a repetição do entendimento de que esse patamar recuou nos últimos meses, o diretor afirmou em entrevista que o BC "não quer afirmar ou sinalizar que tem qualquer compromisso de um nível de taxa neutra". "Não temos esse compromisso, nosso compromisso é com a taxa de inflação", disse.

FERNANDO NAKAGAWA E FABIO GRANER, Agencia Estado

30 de setembro de 2010 | 14h59

Hamilton afirmou que a intenção do BC em divulgar o estudo é de fomentar o debate sobre o tema. "A motivação é estimular o debate para entender a dispersão existente no mercado nas projeções para a inflação", disse o diretor, ao comentar que há alguns meses as projeções para a taxa Selic tinham grande dispersão, de até 750 pontos base, entre os analistas."Esse é um dado tão importante como o PIB potencial", completou, ao afirmar que esse é um parâmetro importante para avaliar o ritmo da economia e os riscos à inflação.

O PIB potencial também é calculado internamente pelo BC, mas não é divulgado ao mercado. "Nós não estamos querendo sinalizar que o BC acredita que o nível da taxa de equilíbrio é A, B ou C. Mas, evidentemente, temos nossos números para consumo interno", disse, sem citar quais os patamares usados pelo BC.

No Relatório de Inflação, o BC também apresentou pesquisa feita com 55 instituições financeiras que mostra que a maioria desses analistas acredita que o patamar da taxa neutra de juro está entre 6% e 7%, sendo que a mediana das estimativas está em 6,75%. Foram detectadas duas modas, uma em 6,5% - com cerca de 15% dos ouvidos - e 7% - com outros quase 30% dos consultados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.