BC altera perspectiva para trajetória da inflação

O Relatório de Inflação do Banco Central (BC) referente ao primeiro trimestre de 2001 apresenta "uma mudança substantiva" na trajetória da inflação esperada para este ano, em relação à projeção feita em dezembro de 2000. Na avaliação dos diretores do BC, a inflação observada nos primeiros dois meses deste ano, superior à expectativa do Comitê de Política Monetária (Copom) em dezembro, motivou a revisão da estimativa para o ponto inicial da trajetória central em 0,2 ponto porcentual. A ocorrência de alterações "fundamentais" no cenário básico também contribuíram para a elaboração da nova projeção de inflação para este ano "especialmente nas variáveis exógenas que influenciam a trajetória da taxa de câmbio, como as incertezas externas". Além disso, os diretores do BC ressaltam que o nível médio da taxa de câmbio saltou de R$ 1,93 no último trimestre do ano passado para R$ 2,02 no trimestre corrente e as cotações desde a metade deste mês situaram-se acima de R$ 2,10. Impacto pode ser duradouro"A depreciação da moeda neste curto espaço de tempo reflete uma combinação de tendências duradouras e de choques temporários", afirma o relatório. Diretores do BC argumentam que a taxa de câmbio, determinada pela variação do mercado, ao regular o equilíbrio do balanço de pagamento, absorve a maior parte dos choques externos, como tem sido registrado agora. "No entanto, como há incertezas quanto a intensidade e a duração dos impactos, eleva-se o potencial de repasse para os preços domésticos a parcela da depreciação cambial percebida como permanente", afirma o relatório do BC.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.