Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

BC americano injeta US$ 29 bi no sistema monetário do país

Com total de hoje, Fed já concedeu liquidez ao sistema em um total de US$ 65,25 bilhões

EFE,

20 de setembro de 2007 | 13h48

O banco central norte-americano (Federal Reserve) injetou nesta quinta-feira, 20, em três operações, um total de US$ 29 bilhões a mais no sistema monetário, o que representa o quarto dia nesta semana de entrada de liquidez. Com estas três novas injeções, que foram feitas em pouco mais de uma hora, durante esta semana o Federal Reserve concedeu liquidez ao sistema com um total de US$ 65,25 bilhões. O Federal Reserve injetou na segunda-feira US$ 16,75 bilhões; na terça-feira, outros US$ 9,75 bilhões; na quarta-feira, novamente US$ 9,75 bilhões; e hoje, mais US$ 29 bilhões, todas através do Fed de Nova York, responsável por realizar este tipo de contribuição de liquidez. O banco, encarregado da política monetária do país, aceitou em três operações hoje a compra de dívida de um valor total de US$ 29 bilhões, mas as ofertas recebidas foram de mais de US$ 155,95 bilhões. A dívida adquirida por um valor total de US$ 29 bilhões é apoiada por títulos do Tesouro (US$ 5,518 bilhões) e de agência (US$ 2 bilhões), e por créditos hipotecários (US$ 21,482 bilhões). Objetivos Nas últimas semanas, o Fed está colocando mais liquidez do que o normal no sistema, especialmente através da compra de créditos hipotecários, um setor que passa por uma forte crise devido à falta de efetivo, devido à grande quantidade de hipotecas de alto risco (subprime) que há nos mercados e à conseguinte perda de confiança pelos investidores. A compra de instrumentos financeiros é a principal ferramenta do Fed para injetar liquidez no sistema e, assim, contribuir para manter a taxa de juros interbancária perto de seu objetivo, que está em 4,75%, após a redução decidida nesta terça-feira.

Tudo o que sabemos sobre:
Juro americanoFedAversão ao risco

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.