André Duzek/Estadão
André Duzek/Estadão

BC vai aumentar oferta de swap cambial para conter escalada do dólar

Autoridade vai triplicar oferta a partir da semana que vem; anúncio vem após moeda americana se aproximar de R$ 3,78, durante o pregão desta sexta-feira, 18

Eduardo Rodrigues e Fernando Nakagawa, O Estado de S.Paulo

18 Maio 2018 | 20h26

BRASÍLIA - Após mais um dia de grande volatilidade no câmbio, o Banco Central decidiu aumentar a oferta de swap cambial para 15 mil contratos a partir da próxima segunda-feira, 21. Até esta sexta-feira, 18, a autoridade monetária vinha ofertando 5 mil contratos nos leilões de swap tradicional realizados todas as manhãs.

+ Dólar para turista sobe quase 10 centavos em três dias

Com isso, o valor ofertado passará de US$ 250 milhões para US$ 750 milhões. Essas operações representam a injeção de recursos novos no sistema, que ajudam a conter a escalada do dólar.

Como é usual, os contratos têm início sempre no primeiro dia útil após a realização dos leilões, feitos normalmente entre 9h30 e 9h40, com resultado divulgado às 9h50. "O BC ressalta que os montantes das ofertas adicionais de swap poderão ser revistos e se reserva o direito de realizar atuações discricionárias, caso seja necessário", afirmou a instituição, em nota.

Nesta sexta-feira, o BC vendeu o lote integral de 5 mil contratos de swap cambial tradicional no valor total de US$ 250 milhões. Para 2 de julho de 2018, foram negociados os 4 mil contratos, no valor de US$ 200 milhões. Para 1º de outubro de 2018, foram negociados os mil contratos, no valor de US$ 50 milhões.

+ Mercado já cogita alta da taxa de juros em setembro

Na última sexta-feira, 11, o BC havia informado por meio de nota o desdobramento do leilão único diário que vinha sendo feito, de 8.900 contratos, em duas operações: uma de 4.225 contratos (US$ 211,3 milhões), para rolagem e outra de 5 mil (US$ 250 milhões), para injeção de recursos no sistema. A oferta desses 4.225 contratos de swap para rolagem não sofrerá alterações para a próxima semana.

Após ser bastante criticada pelo mercado por ter surpreendido ao manter a Selic em 6,5% ao ano última reunião do Conselho de Política Monetária (Copom), contrariando as expectativas geradas pela própria comunicação do BC, a autoridade monetária aproveitou a nota para alegar que a sua atuação no mercado cambial é separada de sua política monetária.

O documento repetiu o comunicado da última reunião do Conselho de Política Monetária (Copom), de quarta-feira, 16, ao reiterar que "eventuais impactos de choques externos sobre a política monetária são delimitados por seus efeitos secundários sobre a inflação (ou seja, pela propagação a preços da economia não diretamente afetados pelo choque)".

+ Dólar caro X Viagem marcada: Veja como resolver esse dilema

Dessa vez, porém, o BC acrescentou que esses efeitos tendem a ser mitigados pelo grau de ociosidade na economia e pelas expectativas e projeções de inflação ancoradas nas metas. "Não há, portanto, relação mecânica entre o cenário externo e a política monetária", justificou o BC.

No swap cambial, o mercado embolsa a variação do dólar e mais uma taxa prefixada. Em troca, fica devendo ao BC a variação da Selic. Se o dólar valorizar mais que a Selic, o mercado ganha essa diferença, mais a taxa contratada. Se os juros subirem mais que a moeda americana, é o mercado que paga a diferença.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.