BC aponta que empréstimos bancários cresceram 17,6% em 2004

As operações de crédito tiveram em dezembro do ano passado um crescimento de 0,9%. Com a variação divulgada hoje pelo Banco Central (BC), o estoque dos empréstimos bancários fechou o ano de 2004 com alta de 17,6% e atingiu a marca dos 26,3% do Produto Interno Bruto (PIB). O porcentual, de acordo com as informações do BC, representava o equivalente a R$ 483,973 bilhões.Os empréstimos às pessoas físicas com recursos livres de direcionamento tiveram crescimento de 28,9% no passado e os créditos às pessoas jurídicas (sem considerar os referenciados em moeda estrangeira) apresentaram alta de 27,1% no mesmo período.Diferença entre taxasO spread (diferencial de taxas entre a captação de recursos de terceiro e as dos empréstimos bancários) teve queda de 2,7 pontos porcentuais em 2004. Com a redução, o spread passou dos 30 pontos porcentuais do fim de 2003 para 27,3 pontos porcentuais.Nos empréstimos às pessoas jurídicas, o spread sofreu uma diminuição de 1,2 ponto porcentual e passou de 14,4 ponto porcentual para 13,2 ponto porcentual. A queda nas operações com pessoas físicas ficou em 6,9 pontos porcentuais e recuou de 50,8 pontos porcentuais para 43,9 pontos porcentuais. Os juros dos empréstimos bancários, por sua vez, caíram apenas 0,8 ponto porcentual no ano passado e terminaram 2004 em 45% ao ano.Folha de saláriosOs empréstimos com desconto em folha de salários teve um crescimento de 4,3% em dezembro com relação a novembro de 2004. Com a variação, o saldo destas operações terminou o ano passado em R$ 12,401 bilhões na mostra do BC de 13 bancos que respondiam em dezembro por 79,8% do total do crédito pessoal. Em janeiro do ano passado, o estoque destas operações de crédito em consignação era de R$ 6,319 bilhões.A taxa de juros destes empréstimos, em contrapartida, aumentaram em dezembro dos 39,14% de novembro para 40,67% no último mês de 2004. Apesar da elevação, a taxa ainda é inferior aos 41,96% de janeiro do ano passado, quando o sistema financeiro começou a oferecer este produto aos seus clientes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.