BC argentino deve desistir de metas de inflação

O economista Martín Redrado assume a presidência do Banco Central da Argentina, nesta sexta-feira, com objetivos diferentes do seu antecessor, Alfonso Prat-Gay. Três analistas de diferentes tendências entrevistados pela BBC Brasil prevêem que Martín Redrado deverá deixar de lado a idéia de Prat-Gay de adotar metas inflacionárias, seguindo exemplo brasileiro, e também seu desejo de implementar a taxa básica de juros da economia na Argentina.Segundo os economistas Débora Giorgi, ex-secretária de Indústria e atual integrante da União Industrial Argentina (UIA), Orlando Ferreres, da consultoria Ferreres&Associados e Fausto Spotorno, da Delphos Investment, Redrado tem objetivos claros. Para eles, entre as prioridades estão reduzir as taxas de juros para a construção, os setores produtivos e para as exportações; estimular o crédito de longo prazo, praticamente inexistente no país depois da moratória; e manter a estabilidade cambial.?Prat-Gay queria adotar aqui um sistema de metas inflacionárias, como o brasileiro, e até trazer a taxa Selic para a Argentina. Martín Redrado vai dar prioridade a uma taxa de câmbio estável, provavelmente entre 2,96 pesos e 3,10 pesos por dólar?, avalia Fausto. ?Mas se houver, algum dia, uma maxidesvalorização do real a Argentina fará o mesmo com o peso. O importante será não perder a competitividade da economia?, diz ele.Na opinião de Orlando Ferreres e de Débora Giorgi, Redrado vai dar prioridade a manter o ritmo do crescimento da economia argentina, cuja previsão para este ano está em torno dos 7%. Para Ferreres, a Argentina hoje pode se dar ao luxo de reduzir as taxas de juros porque, diferente do Brasil, afirma ele, o país não está sofrendo uma pressão inflacionária e precisa dar um ?impulso? para não permitir a queda do crescimento atual. Débora Giorgi entende que a ?flexibilização? do crédito poderá salvar muitos setores empresariais do país que se tornaram menos competitivos com a falta de acesso a financiamentos para seus empreendimentos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.