BC argentino enfrenta amanhã potências econômicas

A nova política monetária do governo da Argentina já terá, amanhã, seu primeiro teste internacional. O vice-presidente do Banco Central argentino, Mario Blejer, irá participar da reunião do Banco de Pagamentos Internacionais (BIS), na Basiléia, Suíça, e apresentará às principais potências econômicas a estratégia que Buenos Aires utilizará para conter a crise no país. O BIS reúne os dez maiores bancos centrais do mundo e, com a participação de autoridades como Alan Greenspan, presidente do Federal Reserve (o banco central americano), faz uma análise da situação financeira internacional a cada três meses. Na avaliação dos participantes da reunião, o encontro ainda servirá para saber qual será o nível de apoio que o governo de Eduardo Duhalde receberá da comunidade internacional e de investidores. "A idéia é de que os membros do BIS façam perguntas e peçam esclarecimentos sobre a política argentina", afirmou um funcionário da instituição. Na semana passada, o Fundo Monetário Internacional (FMI) fez declarações de que poderia apoiar o governo argentino na restruturação de sua economia. Mesmo assim, muitos governos estrangeiros temem que a desvalorização traga prejuízos aos investimentos feitos por suas empresas na Argentina nos últimos dez anos. Fraga - Além do vice-presidente do Banco Central da Argentina, a reunião do BIS contará com a participação do presidente do BC brasileiro, Armínio Fraga. "Vou expôr a situação brasileira", afirmou Fraga, sem entrar em detalhes sobre o que dirá aos xerifes da economia mundial. Uma das tarefas de Fraga será mostrar que a situação da economia brasileira não é a mesma do parceiro do Mercosul. Fraga ainda aproveita sua passagem pela Suíça para participar de uma reunião da Associação Econômica Americana. O presidente do Banco Central falará sobre políticas de combate à inflação, ao lado de representantes de países desenvolvidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.