Carlos Severo/Fotos Públicas
Carlos Severo/Fotos Públicas

Banco Central atua duas vezes, mas dólar cai pelo 5º dia seguido

Moeda terminou o dia com queda de 0,26%, cotada a R$ 3,47; investidores venderam ações para embolsar lucro e Bolsa caiu 1,4%

Paula Dias, O Estado de S. Paulo

14 de abril de 2016 | 18h25

O dólar teve nesta quinta-feira sua quinta queda consecutiva e terminou o dia cotado a R$ 3,4768 no mercado à vista, com baixa de 0,26%. A moeda americana abriu em alta, chegou a subir 1,32%, mas inverteu a tendência no meio da tarde. Para evitar uma queda mais acentuada da moeda americana, o Banco Central promoveu leilões de contratos de swap cambial pela manhã e à tarde. Já a Bovespa recuou 1,39% (52.411,02 pontos), num movimento atribuído a uma realização de lucros e à adoção de uma postura um pouco mais cautelosa em relação ao cenário político.

As atenções do mercado continuaram voltadas ao processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Depois que partidos como PP, PTB e PRB retiraram o apoio ao governo, o número de votos favoráveis à saída de Dilma aumentou rapidamente no placar do impeachment realizado pelo Grupo Estado. O último levantamento mostra que o número de votos a favor do impedimento está em 338 e os votos contra estão em 127. Há ainda 18 indecisos e 30 deputados que não responderam.

No começo da tarde, o líder do PMDB na Câmara, Leonardo Picciani (RJ), anunciou formalmente a posição majoritária da bancada a favor do impeachment. O líder confirmou que, em votação simbólica, 90% dos 54 deputados presentes na reunião se manifestaram a favor do afastamento da presidente. Picciani é um dos poucos votos contrários na legenda.

Em uma contraofensiva do governo às notícias que o enfraquecem, a Advocacia-Geral da União entrou com cinco recursos no Supremo Tribunal Federal (STF) contra o processo de impeachment. Em princípio, a notícia teve pouca influência sobre os preços dos ativos. Em um segundo momento, os mercados de câmbio e ações tiveram percepções diferentes.

Atuação do BC. No câmbio, pesaram análises de que dificilmente o governo se sairá vencedor no STF, o que incentivou o otimismo, principalmente porque o Supremo tende a tomar uma decisão ainda hoje. Com isso, a moeda passou a operar em terreno negativo, o que trouxe o Banco Central de volta ao mercado para ofertar swaps reversos. Pela manhã, o BC vendeu 80 mil contratos em um único leilão. À tarde, a autoridade monetária voltou com mais dois leilões, de 20 mil contratos cada, todos vendidos integralmente. Na mínima, a cotação do dólar à vista atingiu R$ 3,4654 (-0,59%).

Na Bovespa, o início da batalha jurídica em torno do impeachment incentivou a cautela, o que fez o Ibovespa acelerar o ritmo de queda à tarde. Isso porque, se o STF receber o pedido da AGU, a votação em plenário na Câmara, prevista para domingo, seria adiada. Mesmo com a queda de hoje, o Ibovespa ainda acumula alta de 4,71% em abril e de 20,90% no ano.

Tudo o que sabemos sobre:
dólarcâmbiobanco centralimpeachment

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.