André Duzek/Estadão
André Duzek/Estadão

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

BC autônomo pode ter chefe demitido

Projeto de autonomia do Banco Central deixa brecha para demissão do presidente e dos oito diretores mesmo durante período do mandato

Fabrício de Castro, O Estado de S.Paulo

22 de novembro de 2018 | 04h00

BRASÍLIA - O projeto de autonomia do Banco Central, que está pronto para ser enviado ao plenário da Câmara, deixa uma brecha para que o presidente da República possa demitir o presidente e todos os oito diretores da autarquia, ainda que eles estejam no período de cumprimento do mandato. Isso é possível caso haja “desempenho insuficiente” das autoridades em suas funções. Na prática, o projeto de autonomia não assegura que os dirigentes vão, de fato, cumprir o mandato até o fim.

Relatado pelo deputado federal Celso Maldaner (MDB-SC), a proposta prevê mandatos fixos de quatro anos para o presidente e os diretores do BC. Cada autoridade poderá ser reconduzida ao cargo por uma única vez. Estes mandatos começarão em momentos diferentes, para evitar mudanças radicais na cúpula da autarquia. O objetivo é evitar que, em momentos de transição na Presidência da República, o BC também passe por mudanças intensas, o que é um risco para o controle da inflação e para o câmbio.

Outra novidade é que, durante o cumprimento do mandato, o presidente do BC e os oito diretores somente poderão ser exonerados em situações específicas. Hoje, o presidente da República pode exonerar o presidente do BC ou os diretores quando quiser.

Entre as situações previstas no projeto, a exoneração poderá ocorrer a pedido do dirigente do BC, no caso de uma enfermidade incapacitante ou se o titular do cargo for condenado na Justiça, em segunda instância. Se o dirigente cometer infração funcional de natureza grave ele também poderá ser demitido.

O projeto relatado por Maldaner, no entanto, prevê uma quinta situação em que o presidente do BC e os diretores poderão ser exonerados: se eles apresentarem “comprovado e recorrente desempenho insuficiente” para alcançar os objetivos do BC. Os dois objetivos básicos do BC são controlar a inflação) e zelar pela estabilidade financeira.

Pela dinâmica atual, o Conselho Monetário Nacional (CMN) fixa a meta de inflação,e o BC atua para que o objetivo seja alcançado. Este ano, por exemplo, a meta de inflação fixada estabelecida pelo CMN e perseguida pelo BC é de 4,5%.

“Pode ser que, levando-se em conta a meta fixada pelo CMN e as diretrizes do presidente da República, em dado momento, entenda-se que toda ou parte da diretoria do BC esteja com desempenho insuficiente para que o objetivo seja alcançado. Então, tem-se aí, sim, uma hipótese que permitiria a interrupção do mandato”, confirma uma fonte ouvida.

Depósitos

O projeto também abre espaço para a autarquia receber depósitos remunerados de instituições financeiras, em substituição às chamadas operações compromissadas. Com isso, o BC poderá contribuir para conter a dívida bruta do País.

Na prática, isso significa que o BC poderá receber depósitos dos bancos, que serão remunerados. Com isso, a instituição poderá reduzir as chamadas operações compromissadas - feitas para enxugar o excesso de dinheiro em circulação. Atualmente, por meio das compromissadas, o BC retira recursos do sistema e, em troca, entrega aos bancos títulos do Tesouro, com o compromisso de recomprá-los no futuro.

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.