BC buscará o centro da meta de inflação, diz Meirelles

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, recusou-se hoje a fazer comentários sobre a decisão do Comitê de Política Monetária do BC (Copom), que na quarta-feira passada reduziu a Selic, a taxa básica de juros da economia, em 0,25 ponto porcentual ? a Selic passou de 16,5% ao ano para 16,25% ao ano. De acordo com Meirelles, o sistema de comunicação do BC com o mercado são as notas e atas que se seguem às reuniões do Copom. O presidente do BC negou-se também a apresentar cenários para a inflação futura. Ele acrescentou que a economia brasileira tem todas as condições para crescer 3,5% ou mais neste ano e explicou que, mesmo com esse objetivo, o BC continuará trabalhando para alcançar o centro da meta inflacionária, que é de 5,5%. Meirelles destacou que o mais importante desse crescimento é que ele se dará com base na estabilidade de preços e do equilíbrio fiscal. Meirelles participa, neste momento, da cerimônia de posse da diretoria executiva da Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil, seccional de Santa Catarina. Condições garantidas Meirelles destacou a solidez dos fundamentos econômicos brasileiros como base para as condições da retomada do ciclo de crescimento sustentado do País. Ele citou os bons resultados da balança comercial, os saldos positivos em conta corrente, que reduzem a vulnerabilidade externa da economia, a queda da taxa de risco país, e o recuo da dívida interna indexada ao dólar. Ele participa, neste momento, da cerimônia de posse da diretoria executiva da Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil, seccional de Santa Catarina.

Agencia Estado,

19 Março 2004 | 11h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.