BC: cenário é favorável para cumprir meta de superávit

O chefe do Departamento Econômico (Depec) do Banco Central (BC), Túlio Maciel, afirmou hoje que o superávit primário (economia do governo para o pagamento dos juros da dívida pública) do setor público consolidado em outubro, de R$ 13,959 bilhões, é o segundo melhor resultado para o mês, atrás apenas de outubro de 2008, quando somou R$ 17,866 bilhões. Ele destacou ainda o fato de o setor público vir registrando um superávit crescente há três meses consecutivos.

RENATA VERÍSSIMO E FERNANDO NAKAGAWA, Agencia Estado

25 de novembro de 2011 | 12h07

Maciel avaliou que o desempenho das contas públicas este ano tem sido "extremamente positivo", já tendo sido cumprida 93% da meta de superávit primário para 2011. "Portanto, é um cenário muito favorável para o cumprimento da meta", disse o chefe do Depec, em entrevista. Ele, no entanto, evitou comentar a possibilidade de a meta de R$ 127,9 bilhões ser superada. "A questão de superar ou não a meta não está sendo uma preocupação nesse momento, mas sim atingir a meta no centro principal. O ponto é que vamos cumprir a meta cheia este ano", afirmou.

Ele ainda acrescentou que o bom resultado primário deste ano é importante para ajudar o Brasil a enfrentar a crise mundial. Ele lembrou que 2010 foi um ano "restrito e difícil em termos fiscais". "A evolução ao longo do ano mostrou o comprometimento do governo com a área fiscal, que se encontra numa situação positiva e nos dá instrumentos para enfrentar esta crise de forma positiva", disse Maciel, lembrando que havia uma desconfiança dos analistas no início de 2011 em relação à capacidade do governo de cumprir a meta de superávit primário este ano.

Juros

Túlio Maciel disse hoje que o volume de juros da dívida do setor público consolidado este ano tem sido recorde, mês a mês. No acumulado de janeiro a outubro, o setor público teve despesas de R$ 197,732 bilhões com pagamento de juros, o que equivale a 5,9% do Produto Interno Bruto (PIB). "É o maior resultado nominal para o acumulado do ano", disse Maciel.

Em 12 meses, as despesas com juros somam R$ 235,792 bilhões ou 5,87% do PIB. Maciel disse que o resultado em relação ao PIB não é o maior da série. Entre janeiro e outubro de 2003, o pagamento de juros correspondia a 8,87% do PIB. No mesmo ano, em 12 meses encerrados em outubro equivalia a 9,08% do PIB.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.