bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

BC chinês alerta sobre risco de deflação e desaceleração

O banco central da China alertou nesta segunda-feira que o país enfrenta riscos de deflação e pressões para a desaceleração do crescimento econômico. Ao mesmo tempo, a instituição previu crescimento "estável". O banco fez a avaliação em um relatório trimestral sobre política monetária, divulgado pela Internet (www.pbc.gov.cn). "No momento, as forças que puxam os preços para cima são fracas, e as pressões contra o crescimento econômico são relativamente fortes", diz o relatório. "O risco de deflação é relativamente alto." Segundo o banco central, os preços internacionais para produtos primários continuam em queda, o que sobrecarrega o mercado interno, aumentando o risco de deflação. O relatório não faz uma previsão sobre quanto tempo o perigo vai durar. O banco afirmou que o atual ritmo de crescimento da economia chinesa está sob crescente pressão. "A demanda externa encolhe, companhias têm dificuldades para operar, e o desemprego urbano cresce", frisou o banco central. Ao mesmo tempo, a instituição também disse que, considerando que as medidas de incentivo têm efeito no país, "a economia doméstica pode continuar estável e com um crescimento relativamente veloz". O crescimento econômico chinês caiu para 6,8 por cento no último trimestre de 2008. No trimestre anterior, o resultado havia sido de 9 por cento, e, no anterior, 10,1 por cento. (Reportagem por Zhou Xin)

REUTERS

23 de fevereiro de 2009 | 12h12

Tudo o que sabemos sobre:
MACROCHINA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.