TATYANA ZENKOVICH/EFE
TATYANA ZENKOVICH/EFE

BC chinês corta juros e avança com liberalização das taxas no mercado bancário

O Banco do Povo da China informou que cortou a taxa básica de juros de um ano em 0,25 ponto porcentual, para 5,1%; em um comunicado, o BC chinês também afirmou que vai 'continuar a promover o retorno das taxas de juros reais para níveis razoáveis'

O Estado de S. Paulo

10 Maio 2015 | 16h00

O Banco do Povo da China (PBOC, na sigla em inglês) informou neste domingo que cortou a taxa básica de juros, na terceira redução desde novembro do ano passado, em meio à desaceleração da economia. Em um breve comunicado divulgado no seu website, o BC chinês afirma que cortou a taxa básica de juros de um ano em 0,25 ponto porcentual, para 5,1%. A taxa de depósito de um ano também foi cortada em 0,25 pp, para 2,25%.


O BC também deixou a porta aberta para novas medidas de relaxamento, ao afirmar que vai "continuar a promover o retorno das taxas de juros reais para níveis razoáveis". "Nossa economia ainda está enfrentando pressões contrárias relativamente grandes. Ao mesmo tempo, os preços domésticos permanecem em níveis baixos e as taxas de juros reais ainda estão maiores que os níveis médios históricos, fornecendo espaço para o uso contínuo de ferramentas de taxas de juros", acrescentou o PBOC.

Além disso, a autoridade monetária informou que dará mais liberdade para os bancos elevarem os juros sobre depósitos, permitindo que eles ofereçam taxas equivalentes a 150% da taxa de referência, ante 130% antes. O movimento faz parte de um esforço mais amplo para liberalizar os juros no mercado bancário. O BC disse não esperar que as instituições financeiras elevem os juros para o teto máximo de uma vez, afirmando que vai policiar o sistema bancário e regular participantes que "perturbem a ordem do mercado". Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
china economia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.