Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

BC chinês eleva compulsório de bancos de novo

Alta de 0,5 ponto porcentual é a oitava desde o início do ano passado e deve retirar US$ 55 bi de circulação; medida tenta combater alta da inflação

Cláudia Trevisan, O Estado de S.Paulo

19 de fevereiro de 2011 | 00h00

Dez dias depois de elevar a taxa de juros, o governo chinês aumentou mais uma vez o depósito compulsório dos bancos, para reduzir a quantidade de dinheiro em circulação na economia e tentar controlar a inflação e a alta no preço dos imóveis.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) foi de 4,9% de janeiro, quarto mês consecutivo em que o indicador ficou acima da meta de 4% fixada para 2011.

Os preços dos imóveis também continuam subindo, apesar das medidas restritivas impostas pelo governo para conter a especulação no setor. Em Pequim, a alta foi de 6,8% e em Chongqing, de 7,9%.

O banco central enfrenta dificuldade para diminuir a liquidez na economia, depois da expansão de 50% na base monetária nos últimos dois anos e do forte aumento do crédito em resposta à crise financeira global de 2008.

Só em janeiro as instituições financeiras concederam novos empréstimos no valor de 1,04 trilhão de yuans (US$ 158 bilhões). O valor é inferior ao excepcional 1,4 trilhão de igual período de 2010, mas está bem acima da média histórica para esse período do ano.

O governo elevou ontem o depósito compulsório em 0,5 ponto percentual, o que vai retirar de circulação 360 bilhões de yuans (US$ 55 bilhões), aproximadamente um terço do que foi injetado na economia em janeiro por meio do crédito bancário. Foi a segunda alta neste ano e a oitava desde o início de 2010.

O excesso na oferta de dinheiro em circulação está inflando o preço dos ativos, como ouro, commodities, obras e arte, ações e imóveis. Há um risco real de formação de bolhas, cujo estouro teria consequências devastadoras sobre o patrimônio de milhões de chineses.

O grau de insatisfação da população com o nível de preços alcançou o mais alto patamar em 11 anos no trimestre encerrado em dezembro, de acordo com pesquisa do BC chinês.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.