BC chinês propõe melhoria na estrutura de crédito

Banco do Povo da China anuncia últimos detalhes da redução do compulsório bancário e diz que vai trabalhar para ampliar o crédito e aprofundar reformas

O Estado de S.Paulo

10 de junho de 2014 | 02h02

O Banco do Povo da China (PBoC, na sigla em inglês) continuará usando uma variedade de instrumentos para ajustar a liquidez no mercado interbancário. A informação foi publicada pelo "People's Daily", jornal que costuma falar em nome do Partido Comunista.

Citando fontes do banco central chinês, a reportagem afirmou que o banco vai trabalhar para melhorar a estrutura de crédito e o aprofundamento das reformas financeiras, com o objetivo de reduzir os problemas que o setor enfrenta.

Ontem, o PBoC anunciou os detalhes do último corte no depósito compulsório de bancos que atendem o setor agrícola e pequenas empresas.

A redução afetará dois terços dos bancos comerciais nas cidades e 80% nas áreas rurais, e irá liberar não mais do que 100 bilhões de yuans em financiamentos ao mercado. O banco afirmou que as condições gerais de liquidez continuam sendo amplas e que sua postura de política monetária não vai mudar.

O PBoC disse que vai reduzir o compulsório em 0,5 ponto porcentual a partir do dia 16. O compulsório para empresas de financiamento, leasing e de empréstimos para a aquisição de veículos também será reduzido em 0,5 ponto porcentual, afirmou o BC da China.

O anúncio veio após o Conselho Estatal da China ter se comprometido, no dia 30 de maio, a promover mais cortes de compulsório "seletivos" para ajudar as partes da economia chinesa que necessitam de crédito, em especial a agricultura e firmas de pequeno e médio portes.

O compulsório menor valerá para bancos cujos novos empréstimos destinados à agricultura e pequenos negócios correspondem a pelo menos 50% do total e cujos empréstimos existentes tenham sido equivalentes a pelo menos 30% do total no final de 2013.

Os depósitos compulsórios dos bancos não são uniformes ou transparentes na China. Bancos menores tendem a ter taxas de compulsório mais baixas do que grandes bancos, que tinham uma taxa de 20% em 2012.

A fonte disse ao People's Daily que o governo está enfrentando "grande pressão" na política financeira e econômica e afirmou que o PBoC irá acelerar o desenvolvimento de um programa de securitização de ativos.

Energia. A China irá anunciar um limite para o consumo de energia nos governos locais, particularmente para o consumo de energia proveniente do carvão, informou Xie Zhenhua, vice-presidente da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma (NDRC, na sigla em inglês), segundo publicado pelo China Securities Journal.

Xie também informou que o governo central reduzirá o consumo de energia permitido para regiões altamente poluidoras e províncias que consumem muita energia. Ao mesmo tempo, regiões relativamente subdesenvolvidas poderão consumir mais. / Agências Internacionais

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.