Juros

E-Investidor: Esperado, novo corte da Selic deve acelerar troca da renda fixa por variável

BC chinês vê sinais de recuperação econômica no país

Ministro diz que crise não chegou aao ponto mais baixo e pede ação de economias mais ricas

REUTERS

26 de março de 2009 | 07h54

As ações tomadas pela China no momento certo para dar suporte à economia estão dando frutos, afirmou o presidente do banco central, Zhou Xiaochuan, nesta quinta-feira, 26.  Zhou disse em relatório que alguns pontos de recuperação são visíveis.

 

Veja também:

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

"No geral, as medidas macroeconômicas produziram resultados e alguns indicadores importantes estão apontando para a recuperação do crescimento econômico, o que indica que o rápido declínio do crescimento foi detido."

"Os fatos... demonstram que comparado com outras grandes economias, o governo chinês tomou medidas de forma rápida, decisiva e eficiente."   Ele enfatizou que o governo reduziu a taxa de juro cinco vezes e diminuiu o depósito compulsório quatro vezes desde setembro.

O governo também lançou um pacote fiscal de 4 trilhões de iuans (585 bilhões de dólares) e anunciou medidas para 10 setores industriais.  "Tomadas essas medidas, a China prevê manter o crescimento econômico impulsionando a demanda doméstica e reduzindo a dependência da demanda externa."

 

Cenário externo

 

O ministro das Finanças da China, Xie Xuren, disse que a crise financeira mundial ainda não chegou ao ponto mais baixo, e instou os governos a fazerem o possível para estimular o consumo e reforçar a confiança, informou a agência de notícias estatal Xinhua News.

 

O ministro disse que os países em desenvolvimento devem fazer o que podem, tendo em vista sua própria situação, para ampliar a demanda interna, criar emprego e estabilizar os mercados. Xie recomendou ainda que os países ampliem a cooperação comercial internacional e se posicionem contra o protecionismo.

 

Ele voltou a pedir uma reforma do sistema financeiro internacional, incluindo mudanças nas instituições multilaterais como o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial (Bird), bem como um sistema cambial internacional mais diversificado. As informações são da Dow Jones

Tudo o que sabemos sobre:
CRISECHINABC*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.