BC: competição entre bancos deve manter juro em baixa

O spread (diferença entre a taxa de captação dos bancos e o que eles cobram para emprestar) das operações de financiamento dos bancos deve continuar em queda, previu hoje o chefe do Departamento Econômico (Depec) do Banco Central (BC), Altamir Lopes. Segundo ele, apesar do aumento da taxa de captação dos bancos, o spread vem caindo em decorrência da maior competição entre as instituições. De outubro para novembro, a taxa de captação subiu de 10,7% para 11%. Ja o spread caiu de 24,4% para 23,5% no período. "A redução do spread é uma tendência que deve permanecer por mais tempo?, avaliou Altamir Lopes.Desde agosto de 2005, um mês antes do início do processo de queda da taxa Selic pelo Comitê de Política Monetária (Copom), a taxa de juros média das operações de crédito caiu 12,7 pontos porcentuais: 7,7 pontos porcentuais da taxa de captação e 5 pontos porcentuais do spread.Altamir Lopes também previu a manutenção da tendência de expansão do volume de crédito total da economia em relação ao Produto Interno Bruto (PIB). Segundo Altamir Lopes, a queda dos juros permitiu o aumento expressivo do crédito, que por sua vez levou os bancos a ganharem maior escala nas operações. Esse ganho de escala e a maior bancarização contribuíram, na sua avaliação, para a redução do spread. Ele lembrou que, no início do processo de expansão da bancarização, os bancos tinham mais trabalho na avaliação de risco dos novos clientes, que eram "desconhecidos?. Passada essa fase inicial, com o maior conhecimento do histórico dos clientes, o custo de administração da avaliação de análise de risco diminuiu, destacou o chefe do Depec. ?O banco já tem histórico de risco conhecido?, disse, lembrando que a formação do spread leva em consideração vários fatores, como aumento do crédito e inadimplência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.