Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

BC compra dólar e resgata moeda do campo negativo

Cenário:

SILVANA ROCHA , O Estado de S.Paulo

25 de abril de 2012 | 03h10

O Banco Central foi fundamental para resgatar o dólar do terreno negativo ontem. Com o fluxo cambial positivo no mercado local desde o começo do dia, a autoridade monetária pode ter comprado um volume considerável de moeda no leilão à vista feito na última hora de negócios. O firme giro financeiro à vista confirmou essa possibilidade. Além disso, o BC aceitou pagar taxa de corte (de R$ 1,8775) mais alta do que o preço de mercado da divisa norte-americana naquele momento. Desse modo, o dólar no balcão reduziu a queda de 0,27%, a R$ 1,8760 antes do leilão, para -0,11%, a R$ 1,8790 logo depois. Mais do que isso, a moeda fechou na máxima do dia e em alta de 0,11%, a R$ 1,8830. O resultado positivo, pelo segundo pregão seguido, elevou a valorização do dólar ante o real em abril para 3,07% e, no ano, para 0,75%.

O giro total à vista registrado pelo Banco Central somou US$ 3,710 bilhões, valor 154% superior ao da véspera.

Antes de passar para o lado positivo no fim da sessão, a moeda norte-americana à vista oscilou em baixa desde a abertura, alinhada à discreta desvalorização do dólar no mercado internacional. O movimento de baixa inicial também refletiu o fluxo cambial positivo para o País, possivelmente de investidores estrangeiros que estão participando dos IPOs do BTG Pactual (cerca de R$ 4,1 bilhões ou US$ 2,2 bilhões) e da Unicasa Móveis (R$ 731,57 milhões ou cerca de US$ 389 milhões), cujas ações estreiam na Bovespa amanhã, dia 26. E ainda da oferta subsequente de ações da Fibria (num total estimado de R$ 1,355 bilhão ou US$ 720,3 milhões) que acontece hoje. A liquidação das operações de BTG Pactual e Fibria acontecem dia 30 de abril e a da Unicasa, em 2 de maio. A expectativa em relação à operação do BTG Pactual é de que poderá haver adesão de investidores estrangeiros de pelo menos US$ 1 bilhão.

A menor aversão ao risco lá fora ajudou a interromper a sequência de três quedas consecutivas da Bolsa brasileira. O Ibovespa terminou com valorização de 0,70% e quase reconquistou os 62 mil pontos, ao marcar 61.971,14 pontos.

Os juros futuros, por sua vez, voltaram a precificar possibilidade elevada de o afrouxamento monetário ter continuidade na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, em maio. Esta aposta cresceu após a presidente Dilma Rousseff afirmar que "não existe explicação técnica para que nossas taxas de juros não sejam compatíveis com as taxas internacionais".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.