BC contabiliza reserva internacional em moeda local

Em um evento realizado na semana passada, o presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini, fez uma apresentação em que revelou o custo de manutenção das reservas internacionais: R$ 31,4 bilhões no primeiro semestre deste ano contra R$ 87,8 bilhões no segundo semestre do ano passado. Em parte, a queda de mais de R$ 50 bilhões é explicada pela diminuição da taxa básica de juros (Selic). Mas não só.

O Estado de S.Paulo

25 de novembro de 2012 | 02h11

Em alguns de seus cálculos, o BC leva em conta o efeito da valorização ou desvalorização cambial sobre os custos das reservas. Ou seja, se o dólar se valoriza, o BC registra mais reais em seu patrimônio. Se a moeda americana perde terreno ante o real, o BC registra menos 'receitas'.

"Em termos da contabilidade do balanço patrimonial do BC, que está em reais, as reservas são contabilizadas em moeda nacional", diz a economista do Bradesco Andréa Damico. "No entanto, é necessário refletir se faz sentido econômico considerarmos as reservas internacionais em moeda local", pondera. Por isso, o mercado continua a fazer estimativas próprias para esse custo. É o caso do próprio Bradesco. Em um relatório obtido pelo 'Estado', que será divulgado nesta semana, o Departamento de Economia do banco estima que o governo gastará cerca de R$ 12 bilhões a menos neste ano do que em 2011 para manter as reservas. / L.M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.