BC continuará citando combustíveis em análises sobre inflação

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, reafirmou hoje que o Comitê de Política Monetária (Copom) faz e continuará fazendo exercícios de projeção sobre o comportamento futuro dos preços, citando explicitamente os combustíveis e analisando seus impactos na inflação. De acordo com ele, este é um dever do Banco Central.Ele que concorda integralmente com a afirmação da Petrobras de que a empresa tem total responsabilidade pela política de preços de combustíveis do País. Elogiando a empresa pelo grande serviço prestado ao País, Meirelles disse que o episódio envolvendo as duas instituições deixa um saldo positivo à medida que torna mais clara as contribuições das políticas de cada uma delas. Ele frisou ainda que o Banco Central do Brasil age apenas da mesma forma que outros bancos centrais do resto do mundo ao acompanhar a evolução de preços importantes da economia. No momento atual, ele lembrou que o preço do petróleo é de grande relevância e objeto de preocupação de todos os bancos centrais. Meirelles ponderou ainda que é "um fator crucial" para a credibilidade do Banco Central um comportamento de transparência nas suas análises e na divulgação delas, justificando as projeções apresentadas nas atas da reunião do Copom. De acordo com ele, projeções de preços administrados ou mesmo livres não representam interferência na política de definição de preços. Meirelles foi além ao responder a nota da Petrobras e afirmou que não compete ao Copom emitir julgamentos sobre decisões relativas a preços.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.