BC: crédito tem crescido a taxas 'confortáveis'

O chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Altamir Lopes, afirmou hoje que o crédito tem crescido a taxas "bastante confortáveis". A avaliação acontece em meio às discussões dentro do governo sobre a sustentabilidade da expansão dos empréstimos. No período acumulado de 12 meses encerrados a fevereiro, o crédito aumentou 27,9%, para R$ 957,581 bilhões.Altamir afirma, inclusive, que o aumento do crédito nas linhas destinadas à compra de veículos também tem ocorrido de forma adequada. "O crescimento tem ocorrido em linha com o aumento da produção e venda de automóveis", disse. Segundo o BC, em fevereiro, o crédito para a compra de veículos cresceu 0,3% ante janeiro e 27,1% na comparação com fevereiro de 2007, para R$ 82,999 bilhões. No mês passado, o prazo médio do estoque desses empréstimos foi de 19,8 meses. Em fevereiro de 2007, era de 18,1 meses.Sobre os financiamentos longos, que chegam a 100 meses para a compra de carros, Altamir evitou fazer comentários. Ele ponderou, contudo, que prazos tão longos devem ter juros mais elevados como forma de compensar o risco maior do contrato. Altamir lembrou ainda que o bem que serve de garantia na operação - nesse caso o veículo - perde valor durante o contrato, o que reduz as garantias do banco com o passar do tempo.LeasingO chefe do Depec destacou que o número a respeito das operações de crédito para veículos não leva em conta as operações de arrendamento mercantil (leasing). Sobre essas transações, o BC não tem dados detalhados. Levantamento da Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras (Anef) mostra que, em 2007, 38% das compras de veículos ocorreram com financiamento tradicional (CDC), 30% com contratos de leasing, 27% foram à vista e 4% por consórcio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.