David Fernandez/EFE
David Fernandez/EFE

BC da Argentina decide cortar taxa básica de juros a 58%

Entidade afirma que, em junho, foi cumprido pelo nono mês consecutivo a meta de base monetária; média foi de US$ 1,341 bilhão, levemente abaixo da meta de US$ 1,343 bilhão

Gabriel Bueno da Costa, O Estado de S.Paulo

01 de julho de 2019 | 16h54

O Banco Central da Argentina (BCRA) decidiu nesta segunda-feira, 01º, cortar a taxa básica de juros de 62,5%, patamar em que estava na sexta-feira 28, para 58%. Em comunicado, a entidade diz que, durante o mês de julho, 58% será o mínimo para a taxa de juros das Letras de Liquidez (LELIQ) da Argentina

O BC afirma que, em junho, foi cumprido pelo nono mês consecutivo a meta de base monetária. A média da base monetária foi de US$ 1,341 bilhão, levemente abaixo da meta de US$ 1,343 bilhão. Para melhor administrar as condições de liquidez e contribuir para fortalecer a transmissão da taxa de juros das LELIQ, o BCRA decidiu reduzir em 3 pontos porcentuais a exigência de efetivo mínimo sobre depósitos a prazo fixo. Além disso, diz que entre agosto e outubro a base monetária será reduzida até compensar totalmente o efeito monetário.

Em seu comunicado, o BC afirma que a decisão sobre a taxa mínima da LELIQ é tomada para garantir que as mudanças anunciadas não impliquem um relaxamento das condições monetárias. O BC diz que absorverá a liquidez necessária para evitar que a taxa de juros de referência fique abaixo de 58%. "Esta redução na taxa mínima está em linha com a redução na taxa de inflação que vem se registrando nos últimos meses e que, de acordo com o Levantamento de Expectativas de Mercado, espera-se que continua em julho."

O BC ainda reafirmou sua decisão de manter os limites mínimos da zona de referência cambial em 39,755 e 51,448 pesos argentinos por dólar até 31 de dezembro. "A política de intervenção cambial anunciada em abril para o período entre abril e junho se estende para o mês de julho", diz a nota.

As decisões foram tomadas de modo unânime pelos dirigentes, diz o comunicado da instituição comandada por Guido Sandleris. 

Tudo o que sabemos sobre:
Argentina [América do Sul]juros

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.