Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

BC da China ampliará papel das taxas de juros na administração da inflação

Informações consta do relatório sobre os planos de cinco anos do governo chinês, que vão até 2015

Danielle Chaves, da Agência Estado,

18 de maio de 2011 | 12h03

O Banco do Povo da China (PBOC, o banco central do país) vai reforçar o papel das taxas de juros na administração das expectativas de inflação e na regulação da demanda geral neste ano. O PBOC também vai seguir adiante com a reforma das taxas de juros ao "liberalizar gradualmente os direitos de preço de alguns produtos financeiros" em várias instituições financeiras escolhidas.

As informações constam do relatório sobre os planos de cinco anos do governo, que vão até 2015. O relatório foi publicado ontem no site do banco central chinês e é datado de 18 de abril.

Há muito tempo o PBOC prometeu permitir reformas no regime de taxa de juros, mas tem tido uma abordagem gradual com relação ao tema. O banco central permitiu alguma flexibilidade no estabelecimento das taxas de juros bancárias, mas colocou um teto nas taxas de depósito e um piso nas taxas de empréstimo.

No relatório, o presidente do PBOC, Zhou Xiaochuan, afirmou que o banco central vai administrar as condições monetárias para controlar a inflação e dar ainda mais proeminência aos esforços para estabilizar os preços neste ano. O PBOC também vai gerenciar a liquidez e manter uma escala "razoável" de "financiamento social", ao mesmo tempo que direcionará mais crédito para a economia real e as pequenas e médias empresas, segundo Zhou. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinainflaçãoBanco do Povo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.