BC da Índia tenta conter volatilidade da rupia

O banco central da Índia (RBI, em inglês) impôs nesta terça-feira novas restrições ao acesso a capital por bancos comerciais, em mais uma medida para dar apoio à rupia que atingiu um mínima recorde ante o dólar neste mês.

Agencia Estado

23 de julho de 2013 | 12h28

A partir de amanhã, os bancos terão permissão para tomar emprestado do banco central indiano somente até 0,5% de seus depósitos líquidos com uma taxa de juros de 7,25%, disse a autoridade monetária em um comunicado publicado na internet. O RBI também apertou as regras sobre a taxa de compulsório - o porcentual dos depósitos que os bancos precisam manter em dinheiro no banco o central - que é de 4% atualmente.

Os bancos precisam reportar a taxa de compulsório a cada duas semanas, e têm permissão de manter uma taxa menor entre essas datas. A partir da próxima semana, eles terão de manter uma quantia de dinheiro equivalente a pelo menos 99% da taxa de compulsório entre essas períodos, ante 70% atualmente.

Na semana passada, o RBI estabeleceu um limite de 750 bilhões de rupias (US$ 12,6 bilhões) para a quantia que os bancos podem tomar emprestada do banco central com a taxa de juros de referência. Se tomarem emprestado acima desse limite, os bancos terão de pagar uma taxa de juros de 10,25%.

A medida anunciada hoje reduz efetivamente o limite de tomada de empréstimo diário para menos de 400 bilhões de rupias, de 750 bilhões de rupias estabelecido na semana passada, afirmou Krishnamoorthy Harihar, tesoureiro do FirstRand Bank em Mumbai.

As medidas são destinadas a restringir a oferta de rupias no sistema bancário local e tornar mais caro para traders comprarem dólares com rupias emprestadas.

A rupia é uma das moedas de pior desempenho da Ásia neste ano e recuou 10% ante o dólar desde o início de maio. A moeda americana que foi cotada em 61,21 rupias - a menor cotação da moeda indiana desde 8 de julho -, atingiu 59,76 rupias nesta terça-feira.

A rupia tem sido fortemente afetada por preocupações de que a Índia enfrentará dificuldades para financiar o seu déficit em conta corrente se o Federal Reserve (Fed) reduzir seu programa de compra de ativos que manteve os mercados globais repletos de liquidez nos últimos anos. O déficit em conta corrente da Índia totalizou 4,8% do Produto Interno Bruto (PIB) no último ano fiscal, encerrado em março.

O RBI disse que as medidas que adotou na semana passada "tiveram um efeito de restrição da volatilidade com um efeito estabilizador concomitante na taxa de câmbio". Traders disseram, no entanto, que as medidas deverão restringir os preços dos bônus do governo ainda mais, enquanto os investidores venderão bônus para levantar dinheiro. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Índiacâmbiorupia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.