BC dá sinal de que meta só será atingida em 2013 , diz Schwartsman

Ex-diretor do Banco Central avalia que instituição começa a preparar o terreno para sinalizar ao mercado que não deverá cumprir a meta da inflação em 2012

Ricardo Leopoldo, da Agência Estado,

28 de julho de 2011 | 13h00

O Banco Central começa a preparar o terreno para sinalizar ao mercado que não deverá cumprir a meta da inflação em 2012 e que busca atingir tal objetivo em 2013, avaliou o ex-diretor do BC Alexandre Scwhartsman. Ele fez o comentário em razão do texto da ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), especialmente o parágrafo 18, no qual o ano de 2013 é citado duas vezes. Outro fator emblemático, segundo ele, foi a retirada, no parágrafo 30, da expressão "garantir a convergência da inflação para a meta em 2012", que estava na ata divulgada no dia 16 de junho.

"Lá na frente, o BC provavelmente vai dizer sobre a meta do ano que vem: 'Ih, tá difícil'", comentou. "O problema é que este tipo de sinal deve ter um efeito devastador sobre as expectativas de inflação para o próximo ano", afirmou, ressaltando que agora a mediana das projeções para o IPCA deve ir na direção de 5,5%. Na pesquisa Focus desta semana tal número estava em 5,28%.

Schwartsman pondera que a ata divulgada hoje tem poucas alterações em relação às anteriores. Na sua avaliação, chamou a atenção o fato de que o Banco Central manifestou que o cenário prospectivo para a inflação está melhorando, mas as projeções do BC, nos cenários de referência e de mercado, apontam que o IPCA não deve atingir a meta em 2012.

No relatório de inflação de março, a estimativa do cenário de referência era de 4,6% para o índice oficial no próximo ano, número que subiu para 4,8% no mesmo documento divulgado em junho. "Se o cenário para a inflação está melhorando, porque os números não mostram isso?", disse. "Deve ser mais uma percepção, um sentimento. Talvez tenhamos saído do campo da ciência e agora estamos no da fé."

Para o ex-diretor do BC, a ata faz uma menção mais discreta do que o esperado sobre a influência dos fatores externos que levaram o Copom a alterar de forma substancial o comunicado da última reunião, com a retirada da frase "período suficientemente prolongado."

Schwartsman destaca que no parágrafo 22 do texto divulgado há a frase "deterioração adicional dos mercados internacionais", que motivou alta da volatilidade e aversão a risco, alimentadas por elevados níveis de liquidez internacional e muitas incertezas relativas à velocidade de recuperação da economia mundial.

Segundo Schwartsman, é provável que o Banco Central avalie que o cenário de inflação está mais confortável em razão de alguns fatores, especialmente o arrefecimento dos preços das commodities. Mas, para ele, o descompasso entre demanda e oferta no mercado doméstico deve levar o IPCA para uma marca entre 6,3% e 6,4% neste ano, muito próximo do teto de 6,5%, e de 5,3% em 2012.

Na sua avaliação, ou o BC já parou de elevar os juros ou vai fazer apenas mais um aumento de 0,25 ponto porcentual no dia 31 de agosto, quando deve realizar uma pausa. Contudo, destacou, o Copom notará que a situação da inflação não está favorável e deve retomar a alta de juros no fim do ano, levando a taxa para um nível entre 12,75% e 13% até a última reunião do ano, que será encerrada no dia 30 de novembro.

Para Schwartsman, as projeções de agentes econômicos para a inflação de 2012 devem piorar nas próximas semanas também devido à comunicação do governo. Ele lembrou entrevista dada na semana passada pela presidente Dilma Rousseff, para quem o combate à inflação é prioritário, mas deve ser feito sem sacrifício do crescimento do País para atingir este objetivo. "Este tipo de sinalização (do Poder Executivo) causa impactos nas expectativas para cima", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.