BC: déficit em conta corrente é de US$ 2,8 bi em agosto

O déficit na conta corrente do balanço de pagamentos do Brasil com o exterior somou em agosto US$ 2,861 bilhões, de acordo com dados divulgados hoje pelo Banco Central (BC). Em agosto do ano passado, o resultado nessa conta foi negativo em US$ 809 milhões. A conta de transações correntes apresentou desempenho dentro das previsões, que variavam de déficit entre US$ 2,000 bilhões e US$ 3,000 bilhões.

FERNANDO NAKAGAWA E FABIO GRANER, Agencia Estado

21 de setembro de 2010 | 11h03

No resultado do mês passado, a balança comercial contribuiu com superávit de US$ 2,440 bilhões, enquanto a conta de serviços e rendas teve déficit de US$ 5,536 bilhões. De janeiro a agosto, o déficit em conta corrente soma US$ 31,122 bilhões, o equivalente a 2,39% do Produto Interno Bruto (PIB). Em igual período do ano passado, o déficit foi de US$ 9,609 bilhões, o equivalente a 1,07% do Produto Interno Bruto (PIB). O déficit em conta corrente acumulado dos últimos 12 meses encerrados em agosto soma US$ 45,815 bilhões, o correspondente a 2,32% do PIB. Até julho, o déficit externo era de US$ 43,764 bilhões em 12 meses, o correspondente a 2,24% do PIB.

IED

O fluxo de investimento estrangeiro direto (IED) para o Brasil somou, em agosto, US$ 2,428 bilhões, de acordo com os dados do BC. Em igual mês do ano passado, o fluxo de IED foi de US$ 1,903 bilhão. O resultado ficou dentro das estimativas dos analistas, que esperavam resultado positivo de US$ 2,000 bilhões a US$ 2,500 bilhões.

No acumulado do ano até agosto, o saldo de IED soma US$ 17,130 bilhões, o equivalente a 1,32% do Produto Interno Bruto (PIB). Em igual período do ano passado, os ingressos de investimento estrangeiro direto somaram US$ 15,856 bilhões, o correspondente a 1,76% do PIB. No acumulado dos 12 meses encerrados em agosto, o IED soma US$ 27,222 bilhões, o equivalente a 1,38% do PIB do período. Nos 12 meses encerrados em julho, o IED estava em US$ 26,697 bilhões (1,36% do PIB).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.