Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Marcello Casal Jr/Agência Brasil

BC descarta aumentar Selic para controlar taxa de câmbio

Segundo presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, instituição venderá US$ 20 bilhões em contratos de dólar para conter avanço da moeda até o fim da semana que vem

Idiana Tomazelli, Fabrício de Castro e Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

07 Junho 2018 | 19h20

BRASÍLIA - Após um dia de nervosismo no mercado financeiro, o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, garantiu que continuará trabalhando com o governo para oferecer liquidez aos mercados de câmbio e de juros "enquanto for necessário". Ele ressaltou, porém, que o regime de câmbio flutuante é a primeira linha de defesa do País e rechaçou o uso da taxa de juros Selic para controlar a cotação do câmbio.

+ Moeda americana passa de R$ 4,30 para o turista

"A política monetária é separada da política cambial, não há relação mecânica entre as duas. A política monetária olha para projeções, expectativas de inflação e balanço de riscos e não será usada para controlar taxa de câmbio", disse Goldfajn em entrevista coletiva convocada no início da noite.

+ Dólar fecha a R$ 3,91 após encostar em R$ 3,97

O presidente do BC disse que a autoridade monetária tem atuado para prover liquidez e continuará oferecendo contratos de swap. Ele destacou que o BC conta hoje com uma munição maior e vai oferecer US$ 20 bilhões em swaps até o fim da semana que vem, "sem prejuízo de atuações adicionais".

+ Como uma greve de caminhoneiros moldará as eleições no Brasil

"Esse é seguro que contratamos no passado. Reduzimos o estoque de swaps quando estávamos no interregno benigno. Hoje estamos usando esse seguro e podemos ir além dos máximos históricos do passado", disse o presidente do BC. Além do swap, Goldfajn também citou outros instrumentos como leilões de linha.

Goldfajn buscou destacar os fundamentos sólidos da economia brasileira. "O balanço de pagamentos do Brasil é muito bom, nós temos uma conta corrente equilibrada. Nós esperamos que esse fluxo de conta corrente seja superavitário nos próximos 12 meses", disse.

Além do ingresso de moeda estrangeira por conta do superávit esperado na conta corrente, o presidente do BC destacou o patamar significativo de investimento estrangeiro no País, de 3,4% do PIB. "Nosso balanço de pagamentos, quando comparado a outras economias, temos balanço de pagamentos muito mais confortável", afirmou.

O presidente do BC iniciou a coletiva destacando que houve mudança relevante no cenário externo, principalmente em relação ao apetite por investimentos em mercados emergentes. "Observamos nos últimos meses e semanas uma mudança, que vem do exterior", disse, citando a elevação na taxa de juros nos Estados Unidos como um dos fatores que tem revertido o fluxo de capitais. "Está ocorrendo choque externo", afirmou. 

Permanência. Ilan afirmou que ficará no BC até o fim do governo, "trabalhando normalmente". O comentário foi feito em resposta ao Broadcast.

Na última terça-feira, a marcação de uma reunião entre Goldfajn e o presidente Michel Temer, no Palácio do Planalto, suscitou especulações no mercado de que Goldfajn poderia entregar o cargo. Posteriormente, esta reunião foi cancelada por motivo de agenda dos participantes.

De acordo com Goldfajn, ele está no BC e vai ficar "até o final". "Está tudo certo, estou trabalhando."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.