BC determina liquidação de consórcios

O Banco Central (BC) determinou hoje a liquidação extrajudicial de três consórcios ainda em atividade e outros dois já desativados. O pior problema identificado pela área de fiscalização do BC foi o do Consórcio Nacional Liderauto, de Belo Horizonte (MG). A empresa ainda está em atividade, mas o BC, depois dos ajustes feitos pela fiscalização, identificou que o patrimônio líquido do consórcio passou de uma posição positiva de R$ 2,760 milhões para um resultado negativo de R$ 13,475 milhões.Segundo o chefe do Departamento de Fiscalização Direta do BC, Paulo Sérgio Cavalheiro, os administradores do consórcio fizeram saques dos grupos em atividade no valor de R$ 14,986 milhões, e os recursos não foram utilizados para o pagamento de obrigações, mas sim desviados para os próprios administradores. A empresa opera 131 grupos, com 10.832 consorciados ativos e outros 17.106 desistentes ou membros de grupos já desativados.Outro consórcio de Belo Horizonte que ainda estava em atividade e que foi liquidado extrajudicialmente pelo BC hoje foi o Uniauto, que pertence à mesma família que administra o consórcio Liderauto. Neste caso, o patrimônio líquido da empresa está negativo em R$ 6,453 milhões.O consórcio Liderauto é controlado hoje pelos herdeiros do falecido empresário Arildo Pereira Campos e por sua esposa Nilza de Lourdes Aguiar Campos. O Uniauto é controlado pelo irmão de Arildo Campos e o empresário Salvador Campos.A empresa tem 25 grupos em atividade, com 1.722 consorciados. O BC nomeou como liquidante, nos dois casos, José Augusto Monteiro Neto, que terá, entre outras obrigações, de tentar encontrar uma solução para todos os consorciados que ainda participavam dos grupos destas duas empresas.Problemas também no Rio e em São PauloA área de fiscalização do BC também liquidou o consórcio União dos Revendedores, do Rio de Janeiro, que está com um patrimônio líquido negativo de R$ 4,375 milhões. Esse consórcio ainda têm 29 grupos em andamento, com 3.824 consorciados.O liquidante desta empresa será Antônio da Silva. O BC também determinou a liquidação extrajudicial do consórcio Bemfácil, com sede em Ribeirão Preto (SP), e o Litoral, de Santos (SP). Nestes dois casos, as empresas já estavam fora de atividade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.