Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

BC: dívida líquida cai para 42,1% do PIB em janeiro

A dívida líquida do setor público recuou em janeiro para 42,1% do Produto Interno Bruto (PIB), ante 42,8% em dezembro. Em termos nominais, a dívida líquida estava em R$ 1,141 trilhão em janeiro, ante R$ 1,15 trilhão em dezembro, de acordo com dados divulgados hoje pelo Banco Central.A dívida bruta do governo atingiu em janeiro 58,2% do PIB, ante 57,4% em dezembro. O cálculo foi feito com base em uma nova metodologia, que passou a excluir os títulos do Tesouro Nacional que estão na carteira do Banco Central do conceito de dívida bruta, mas passou a incluir as operações compromissadas realizadas pela autoridade monetária.Se fosse levado em conta o conceito anterior, a dívida bruta do setor público em dezembro era de 63,8% do PIB, o correspondente a R$ 1,714 trilhão. Pelo novo conceito, em termos nominais, a dívida bruta passou de R$ 1,543 trilhão em dezembro para R$ 1,579 trilhão em janeiro.Gasto com jurosOs gastos com juros nominais do setor público consolidado (governo central, Estados, municípios e empresas estatais) em janeiro somaram R$ 13,131 bilhões, informou o Departamento Econômico (Depec) do BC. O valor é superior ao registrado em dezembro de 2007 (R$ 12,238 bilhões), mas inferior ao observado em janeiro de 2007 (R$ 13,927 bilhões)."O maior número de dias úteis em janeiro e o efeito da apreciação cambial sobre os ativos atrelados ao dólar contribuíram para a elevação dos juros totais apropriados no mês", destaca nota divulgada pelo BC.O resultado em janeiro foi gerado pela despesa nominal do governo central, de R$ 6,469 bilhões, dos governos regionais, de R$ 7,117 bilhões, e empresas estatais, que tiveram receita nominal com juros de R$ 455 milhões. No acumulado de 12 meses até janeiro, o gasto com juros soma R$ 158,737 bilhões, o equivalente a 6,17% do PIB.

FERNANDO NAKAGAWA E FABIO GRANER, Agencia Estado

27 de fevereiro de 2008 | 11h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.