BC do Japão afrouxa política monetária em meio à alta do iene

Banco cental japonês expandiu seu programa de empréstimos baratos nesta 2ª, atendendo pedidos do governo

Hélio Barboza, da Agência Estado,

30 de agosto de 2010 | 07h07

O Banco do Japão (BOJ, banco central) não conseguiu provocar queda definitiva do iene com uma flexibilização de emergência da política monetária nesta segunda-feira, o que aumenta a pressão sobre a direção do banco para fazer mais nos próximos dias a fim de interromper a alta da moeda e fortalecer a combalida economia. Por 8 votos a 1, o comitê de política monetária do BOJ aprovou o oferecimento de mais 10 trilhões de ienes (US$ 117,98 bilhões) em empréstimos de seis meses para as instituições financeiras, além dos 20 trilhões de ienes em empréstimos de três meses que já haviam sido oferecidos anteriormente.

"O banco acredita que a medida de flexibilização monetária, juntamente com os esforços do governo, serão efetivos em dar novas garantias à recuperação econômica do Japão", disse o BOJ. Mas o iene subiu diante da decisão, que ficou em linha com o que já era esperado. A moeda agora ameaça retomar sua subida para máximas de 15 anos.

O dólar chegou a cair para 84,90 ienes, dos cerca de 85,90 ienes em que estava antes do anúncio do BOJ, e depois avançou para 85,13 ienes às 4h55 (de Brasília). A moeda norte-americana havia recuado para 83,58 ienes na última terça-feira. Às 7h24 (de Brasília), o dólar caía para 84,66 ienes, de 85,35 ienes no fim do dia em Nova York na sexta-feira.

As autoridades temem que a apreciação do iene possa prejudicar a frágil recuperação econômica do Japão, tão dependente de exportações. O impacto econômico da decisão desta segunda-feira, que veio horas antes de uma reunião entre o presidente do BOJ, Massaki Shirakawa, e o primeiro-ministro, Naoto Kan, será "perto de zero", disse o economista Richard Jerram, do Macquarie Bank. "É em grande parte uma charada", afirmou.

Kan

saudou a expansão da linha de crédito de emergência do BOJ e Shirakawa disse que o primeiro-ministro não lhe fez nenhum pedido específico. À tarde, os ministros da área econômica se reuniram e anunciaram um novo pacote de medidas de estímulo. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.