BC do Japão afrouxa política monetária em meio à freada global

BC amplia compra de títulos em US$ 127 bi; agora estímulos já somam um quinto da economia do país

TÓQUIO, O Estado de S.Paulo

20 de setembro de 2012 | 03h08

O Banco do Japão, banco central do país, afrouxou ontem a política monetária ao aumentar seu programa de compra de ativos, ao passo que as perspectivas de recuperação de curto prazo da terceira maior economia do mundo pioraram por causa do enfraquecimento das exportações e da prolongada desaceleração do crescimento chinês.

A decisão veio na sequência do terceiro afrouxamento quantitativo (QE3) do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) e em meio a temores de que uma disputa territorial com a China, o maior parceiro comercial do Japão, vai prejudicar ainda mais as exportações.

Mas o presidente do banco central japonês, Masaaki Shirakawa, destacou que a ação foi incentivada por recentes dados decepcionantes e não pela ação do Fed, enquanto protestos anti-Japão na China tiveram participação na decisão de afrouxar a política.

"As economias internacionais estão desacelerando mais do que prevíamos, e é por isso que diminuímos a perspectiva econômica do Japão", afirmou Shirakawa em entrevista após a decisão. "A recuperação do Japão pode ser atrasada em aproximadamente um semestre."

O BC japonês aumentou o programa de compra de ativos e de empréstimos, atualmente sua principal ferramenta de afrouxamento monetário, em 10 trilhões de ienes (US$ 127 bilhões) - o dobro da quantia habitual - para 80 trilhões de ienes, com o avanço destinado a compras de títulos governamentais e títulos do Tesouro com desconto.

Um quinto da economia. O estímulo total é agora equivalente a quase um quinto da economia japonesa. O BC também projetou recuperação econômica moderada à frente. "Os indicadores econômicos do Japão têm se mostrado fracos, portanto a ação do BC faz sentido por essa perspectiva", afirmou o economista sênior do Sumitomo Mitsui Asset Management em Tóquio, Hiroaki Muto. "Shirakawa tem enviado mensagens de que o BC nem sempre faz o que o mercado espera, mas eu acho que o BC ficou um pouco surpreso com o lançamento do QE3 do Fed."

Uma sequência recente de dados fracos, incluindo uma queda nas exportações e na produção industrial, deixou as autoridades do BC japonês menos convencidas de que a demanda global vai se recuperar em breve para ajudar na recuperação da economia dependente de exportações. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.