BC do Japão flexibiliza política monetária

O Banco do Japão flexibilizou sua política monetária nesta quarta-feira, por meio da ampliação da meta de excesso de liquidez, o que ampliará a disponibilidade de recursos ao sistema financeiro. A decisão visa complementar o pacote antideflação e para limpar os créditos podres dos bancos que o congresso japonês aprova ainda hoje. Os nove membros do comitê de política monetária do Banco Central do Japão (BOJ, na sigla em inglês) votaram, por unanimidade, elevar a meta de excesso de liquidez para 15 trilhões de ienes a 20 trilhões de ienes, da margem de 10 trilhões de ienes a 15 trilhões de ienes. O BC decidiu também aumentar o montante de recompra de bônus do Tesouro em 200 bilhões de ienes, para 1,2 trilhão de ienes. É a primeira mudança formal da política monetária desde dezembro do ano passado, embora o BOJ tenha elevado o montante de compra de títulos do Tesouro em fevereiro.O BOJ informou também que irá ampliar o vencimento dos títulos de redesconto de curto prazo que aceitará nas operações de recompra de seis meses para até um ano. E, a fim de ajudar os bancos a melhorar suas condições de concessão de crédito, o BOJ acompanhará o impacto das medidas do governo, para reduzir o peso da inadimplência nas carteiras de crédito dos bancos, sobre o financiamento das companhias, já que as instituições podem tornar-se mais restritivas."O banco continuará a realizar todos os esforços compatíveis a um banco central, incluindo medidas para garantir a estabilidade do sistema financeiro, a fim de estabelecer uma base para crescimento estável e sustentável da economia do Japão e, por consequência, evitar contínuo declínio nos preços (deflação)", disse o BOJ.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.