BC do Japão pede que governo respeite sua independência

O presidente do Banco do Japão defendeu-se da pressão política para fazer mais contra a deflação, dizendo que o governo deveria respeitar a independência do banco central se quiser evitar inquietar os mercados financeiros.

REUTERS

18 de fevereiro de 2010 | 08h23

O ministro das Finanças, Naoto Kan, aprofundou a pressão sobre o BC nesta semana, dizendo que uma inflação de 1 por cento é a mínima necessária para a estabilidade dos preços.

Mas o chefe do BC, Masaaki Shirakawa, descartou nesta quinta-feira adotar uma política de meta de inflação, dizendo que focar pressões de preços de curto prazo pode evitar um crescimento sustentável.

O governo tem contado com o BC para dar suporte à frágil economia, mesmo em um momento em que autoridades monetárias em todo o mundo falam em retirar os estímulos econômicos fornecidos durante a crise financeira mundial.

Tudo o que sabemos sobre:
MACRO, BOJ, GOVERNO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.