BC do Japão pode intervir na economia para evitar desaceleração

Declaração sugere que a instituição pode afrouxar a política monetária caso seja necessário 

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

22 de setembro de 2010 | 10h01

O Comitê de Política Monetária do Banco do Japão (BOJ, na sigla em inglês) disse que o banco central poderá adotar ação "adequada e no tempo oportuno" se os riscos de desacelaração para a economia japonesa se materializarem. A declaração sugere que o BOJ está movendo-se na direção de uma política monetária mais frouxa em meio às preocupações crescentes sobre a saúde da economia mundial.

"À medida que a incerteza sobre as perspectivas econômicas - principalmente nos EUA - crescem, não podemos baixar a guarda contra os riscos de desacelaração para a nossa economia", disse Ryuzo Miyao para líderes empresariais na cidade japonesa de Tokushima.

"Apesar de mantermos um olhar atento sobre os desdobramentos econômicos e de preços (do Japão), tomaremos as medidas de política monetária de uma forma adequada e no tempo oportuno, se necessário", disse Miyao, que ingressou no Comitê de Política Monetária do BOJ em março.

Numa coletiva de imprensa, realizada separadamente, o membro do BOJ afirmou que o Banco Central do Japão "não descarta nenhuma opção de política monetária", ao considerar as medidas que deverão ser tomadas para fortalecer a economia do país.

"Nós vamos considerar quais os tipos de medidas de política monetária que poderemos adotar, avaliando cuidadosamente as suas consequências e efeitos colaterais", declarou Miyao.

Os comentários de Miyao deverão reforçar provavelmente a especulação de que o BOJ poderá ser pressionado a afrouxar sua política monetária novamente, se o iene permanecer forte em relação ao dólar e a economia do Japão mostrar sinais de deterioração.

Esta opinião é sustentada pela expectativa de que o Federal Reserve (Fed) poderá, em breve, implementar novas medidas de flexibilização. Isso reduziria as taxas de juros dos EUA e tornaria os investimentos no país menos atraentes, o que podem enviar mais dinheiro para o iene, provocando a valorização da moeda japonesa.

Miyao

destacou que o BOJ está observando os impactos da alta do iene e alertou que o fortalecimento da moeda poderá afetar a economia japonesa dependente da exportação, reduzindo os lucros das empresas e a confiança dos empresários.

Ele também sugeriu que o BOJ continuará a trabalhar estreitamente com o governo para impedir que a economia desacelere, em meio à alta do iene. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.