BC do Japão pode tomar medidas para conter valorização do iene, diz fonte

Moeda tem ganhado valor frente ao dólar com os problemas na dívida soberana europeia e preocupações sobre a recuperação econômica 

Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

19 de julho de 2010 | 10h41

O Banco do Japão (BoJ) pode considerar medidas adicionais para evitar prejuízos à economia caso o dólar permaneça próximo de 85 ienes por um mês ou dois, disseram fontes próximas ao BC. Nas últimas semanas, com os problemas na dívida soberana europeia e preocupações com a direção da recuperação econômica, o iene tem registrado valorização contra o dólar. Na sexta-feira, a moeda norte-americana caiu para uma mínima em sete meses contra o iene a 86,27 ienes.

O BoJ acredita que enquanto o iene não subir muito de seus níveis atuais, a economia japonesa deve manter o ritmo de recuperação, afirmou uma fonte próxima ao BC. "Mas se o dólar ficar próximo de 85 ienes por um ou dois meses, pode haver efeito adverso na economia", acrescentou a fonte. E o BoJ "pode fazer algo", concluiu.

Esta é a primeira vez que fontes próximas ao BoJ sugerem um nível específico para a estratégia do banco central, o que deve se transformar em referência para antecipações de futuras mudanças na política monetária do Japão.

Como seria a atuação do BoJ não está claro. As autoridades japonesas têm ficado fora do mercado de moedas desde março de 2004 e poucos esperam que haja uma intervenção agora.

Mas o BoJ pode ampliar a liquidez do setor financeiro, por meio da elevação dos volumes de compras de títulos do governo, aumentando o montante de empréstimos a taxas reduzidas no mercado interbancário ou ampliando o vencimento dos empréstimos, afirmam observadores.

"Recentemente, o dólar e o euro têm sido vendidos contra o iene em meio a crescentes temores sobre as perspectivas das economias norte-americana e europeia", acrescentou a fonte. "Se o iene continuar subindo, as autoridades do BoJ podem ficar preocupadas com a possibilidade de atingirem as exportações e prejudicarem o crescimento econômico", acrescentou.

Em 27 de novembro, quando o dólar caiu a uma mínima em 14 anos contra o iene, a 84,82 ienes, o BoJ conduziu uma operação de checagem de taxas, que envolve pedir aos bancos comerciais detalhes sobre seus planos de transação com a moeda. A prática é vista entre os players de moeda como uma forma de intervenção verbal, que algumas vezes é seguida por compra de moeda. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.