Eric Baradat/France Presse
Eric Baradat/France Presse

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Novo corte de juros do Fed aumenta pressão sobre Selic no Brasil

Taxas vão ficar entre zero e 0,25%, na segunda redução anunciada no mês em resposta aos efeitos do coronavírus; no Brasil, Copom define se reduz mais ou não na taxa de juros na quarta-feira

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de março de 2020 | 18h30

O Federal Reserve (Fed, o banco central americano) anunciou ontem um novo corte de juros e participação em uma ação coordenada com outros bancos centrais para aumentar a liquidez do mercado, diante do risco de uma retração global por conta da pandemia do coronavírus. As taxas passaram de um intervalo entre 1% e 1,25% ao ano para zero a 0,25%. Foi a segunda redução no mês aprovada em reunião extraordinária. Em comunicado, o Fed afirmou que a crise vai “pesar na atividade econômica no curto prazo e representar riscos para as perspectivas econômicas”.

Além do corte de juros, o Fed anunciou a compra de até US$ 700 bilhões em títulos do Tesouro e lastreados em hipotecas e a redução a zero da taxa do compulsório bancário. No caso do compulsório, que vai valer a partir do dia 26, a medida abre uma porta para o aumento de empréstimos a empresas e famílias em dificuldades financeiras.

“O corte de juros pelo Fed me faz muito feliz e eu quero parabenizá-lo por essa decisão”, disse o presidente americano, Donald Trump. Segundo ele, os mercados devem ficar “entusiasmados” com a medida. Já o presidente do Fed, Jerome Powell, afirmou que o coronavírus representa um “desafio econômico significativo” e admitiu que haverá fraca atividade produtiva por “um período de tempo”. 

Em outra frente, o Fed se associou ao Banco Central Europeu (BCE), do Canadá, do Japão, da Suíça e da Inglaterra para a troca de linhas de crédito, com o objetivo de manter as operações de financiamento em dólar. Entre analistas, a iniciativa foi vista como uma resposta a críticas à falta de uma ação articulada dos principais bancos centrais do mundo para tentar atenuar o impacto do coronavírus, como foi feito na crise financeira de 2008. 

Em reação inicial às medidas, os índices futuros de ações em Nova York estavam em queda de quase 5%. Já a Bolsa de Tóquio tinha retração de 1,41%, após abrir em alta de 0,41%. “Vai ser importante para segurar a liquidez, mas não tem garantia de que os mercados acionários reajam de forma satisfatória neste momento”, disse o economista-chefe da Nova Futura, Pedro Paulo Silveira.

O diretor de economia em tempo real da Moody’s Analytics, Ryan Sweet, cobrou medidas fiscais para complementar o apoio à economia dos EUA. Para a Moody’s, o PIB americano deve recuar no segundo trimestre e acumular alta de 1,3% no ano.

Copom deve manter ciclo de cortes na Selic

A decisão do Fed deve aumentar, no Brasil, a pressão para que o Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) mantenha o ciclo de redução da taxa básica, a Selic. A decisão do órgão vai sair na quarta-feira. “Um fator complicador é a desvalorização forte do real. O BC vai precisar decidir se quer controlar o câmbio ou cortar juros. Não há como fazer as duas coisas ao mesmo tempo, a não ser com a queima de reservas internacionais, uma saída nada prudente neste momento”, disse o economista-chefe da Necton, André Perfeito.

De 50 analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast na sexta-feira, 41 esperam corte na Selic, hoje em 4,25% ao ano – já no seu menor patamar histórico. Destes, 21 preveem corte de 0,25 ponto porcentual e 20 falam em redução de até 0,5 ponto. Dos consultados, só nove se mantêm céticos sobre a disposição do Banco Central ou sobre a efetividade da mexida nos juros.

Quando cortou a Selic de 4,5% para 4,25%, no início de fevereiro, o Copom chegou a indicar que o ciclo de afrouxamento monetário – iniciado ainda em julho de 2019 – poderia ser encerrado. Mas, na leitura do mercado, essa postura mudou logo depois de o Fed anunciar o primeiro corte de juros.

“O BC deve, no mínimo, acompanhar o sentido da mudança nos juros no mundo”, disse Luiz Fernando Figueiredo, sócio da Mauá Capital e ex-diretor do BC, que defende corte de 0,5 ponto. “O Brasil tem espaço fiscal limitadíssimo (para estimular o PIB).”

Para Carlos Kawall, diretor do ASA Bank e ex-secretário do Tesouro, o “mais adequado” seria um corte de 0,75 ponto. “É um movimento que nos deixaria mais em linha com outros bancos centrais”, afirmou ele.

O Copom se reúne a cada 45 dias para definir a Selic, buscando o cumprimento da meta de inflação. Para 2020, a meta é de 4% (com tolerância entre 2,5% e 5,5%). Com a inflação sob controle, o maior receio é com relação à perspectiva para o PIB. A estimativa é de avanço de até 1,5%. O próprio Ministério da Economia alterou sua previsão, de 2,4% para 2,1%. / ALTAMIRO SILVA JUNIOR, DOUGLAS GAVRAS, RICARDO LEOPOLDO, THAÍS BARCELLOS, CÍCERO COTRIM E KARLA SPOTORNO

Tudo o que sabemos sobre:
Federal Reservejuroscoronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.