KAREN BLEIER/AFP
KAREN BLEIER/AFP

BC dos EUA eleva juros pela segunda vez em três meses

Taxa básica saltou de 1% para 1,25%; Fed ressaltou que o motivo para a elevação dos juros é o contínuo crescimento econômico do país e o fortalecimento do mercado de trabalho

O Estado de S.Paulo

14 Junho 2017 | 15h56

O Federal Reserve, banco central norte-americano, elevou a taxa de juros nesta quarta-feira, 14, pela segunda vez em três meses, citando contínuo crescimento econômico dos Estados Unidos e o fortalecimento do mercado de trabalho, e anunciou que começará a reduzir sua carteira de Treasuries e outros títulos este ano.

A decisão elevou a taxa básica de juros em 0,25 ponto percentual, para a faixa de 1,00 a 1,25%, conforme o Fed prossegue com seu primeiro ciclo de aperto em mais de uma década.  Como em dezembro de 2016 e em março deste ano, os dirigentes preveem ainda três elevações de juros neste ano, o que implica em mais uma alta neste ano, depois da de hoje.

Em sua declaração, o Fed indicou que a economia estava se expandindo moderadamente, o mercado de trabalho continuou a se fortalecer e a recente desaceleração da inflação foi considerada transitória.

O dólar teve reação apenas pontual à divulgação da decisão de política monetária do Federal Reserve. O banco central norte-americano elevou os juros básicos dos Estados Unidos em 0,25 ponto porcentual, dentro do esperado pelos analistas.

A moeda norte-americana chegou a acelerar o ritmo de queda por alguns instantes, mas rapidamente voltou ao ritmo anterior à decisão do Fed. Segundo analistas, o teor do comunicado do Fed veio sem surpresas, o que mantém a percepção formada mais cedo, quando o CPI aquém do esperado sugeriu desaceleração do ritmo do aperto monetário nos EUA.

LEIA MAIS: DESEMPREGO NOS EUA CAI PARA MENOR NÍVEL EM 16 ANOS

Redução do patrimônio. O Fed fez um claro esboço de seu plano para reduzir o portfólio de 4,2 trilhões de dólares em Treasuries e títulos lastreados em hipotecas, cuja maior parte foi comprada na esteira da crise financeira e recessão de 2007-2009.

"O comitê espera atualmente começar a implementar o programa de normalização do balanço este ano, desde que a economia evolua como esperado", disse o Fed em seu comunicado.

De acordo com um adendo divulgado junto com o comunicado, o Fed espera que o plano de redução do balanço contenha a suspensão dos reinvestimento de volumes ainda maiores de títulos a vencer.

O Fed estima que o teto para os Treasuries seja de 6 bilhões de dólares por mês inicialmente, aumentando a 6 bilhões em intervalos de três meses ao longo de 12 meses até que alcance 30 bilhões por mês.

Para os títulos lastreados em hipotecas, o limite será de 4 bilhões de dólares por mês inicialmente, aumentando a 4 bilhões a intervalos trimestrais ao longo de um ano até que alcance 20 bilhões de dólares por mês.

Com isso o Fed elevou a taxa de juros quatro vezes como parte da normalização da política monetária que começou em dezembro de 2015. O banco central havia levado os juros para perto de zero em resposta à crise financeira./PAULA DIAS, COM REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.