BC dos EUA estende estímulos para recuperar crescimento da economia

Federal Reserve mantém o juro no patamar entre zero e 0,25% e prolonga a Operação Twist, por meio da compra de US$ 267 bi em ativos de longo prazo

Reuters e Agência Estado,

20 de junho de 2012 | 13h50

Texto atualizado às 14h47

WASHINGTON - O Federal Reserve (Fed, banco central dos Estados Unidos) estendeu o estímulo monetário para uma recuperação econômica norte-americana que parece estar correndo o risco de estagnar, renovando os esforços para diminuir os custos de empréstimos por meio da venda de títulos de curto prazo para comprar bônus com prazos mais longos.

Expressando preocupação sobre as restrições nos mercados financeiros globais que estão emanando da Europa, o Fed informou que está estendendo o programa chamado Operação Twist por meio da compra de US$ 267 bilhões em ativos de prazo mais longo até o final de 2012.

A Operação Twist tem a finalidade de reduzir as taxas de juros de longo prazo por meio da venda de títulos de curto prazo e da utilização dos recursos arrecadados para comprar títulos de prazo mais longo. Anunciado em setembro de 2011, o programa estava previsto para expirar no fim de junho.

O Fed informou ainda que manteve as taxas de juros do país no patamar entre zero e 0,25%. Onze dos 12 membros do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc) do BC dos EUA votaram para manter a taxa de juros inalterada.

O BC norte-americano tem mantido as taxas de juros de curto prazo perto de zero desde dezembro de 2008 com a finalidade de impulsionar o consumo e o investimento no país. O Fed tem dito desde janeiro que planeja manter as taxas de juro de curto prazo em "níveis excepcionalmente baixos" pelo menos até o final de 2014.

O banco central não anunciou, contudo, nenhuma adoção imediata de medida mais agressivas de lançamento de um novo programa de compra de bônus para estimular a recuperação econômica os EUA.

"O Comitê está preparado para adotar ação adicional, conforme apropriado, para promover uma forte recuperação econômica e melhora sustentada das condições do mercado de trabalho em um contexto de estabilidade de preços", disse o Fed em seu comunicado.

BC mostra preocupação com economia

O Fed também expressou preocupações sobre a economia, observando que o crescimento do emprego "diminuiu nos últimos meses e que a taxa de desemprego permanece elevada". Segundo a autoridade monetária, os gastos das famílias "parece estar crescendo em um ritmo um pouco mais lento do que no início do ano."

No entanto, as autoridades do Fed deixaram inalterada a visão de que economia vem se expandindo "moderadamente" neste ano. O Fed destacou que a inflação diminuiu, em grande parte porque os preços do petróleo e do gás recuaram e que as expectativas da inflação de longo prazo continuam estáveis.

A reunião do Fomc nesta semana foi a primeira que teve a participação de dois novos membros do conselho do Fed, Jeremy Stein e Jerome Powell. Todos os sete diretores do Fed votam em todas as reuniões políticas, como faz o presidente do Federal Reserve Bank de Nova York, William Dudley.

Os presidentes de 11 outros Feds regionais votam em bases rotativas. Neste ano, além de Lacker, a presidente do Fed de Cleveland, Sandra Pianalto, o presidente do Fed de Atlanta, Dennis Lockhart, e o presidente do Fed de São Francisco, John Williams, podem voltar. As informações são da Dow Jones.

(Com Clarissa Mangueira, da Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:
EUAFedjuros

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.