BC dos EUA mantém juros em 1% com temor de deflação

O Federal Reserve (Fed, o Banco Central dos EUA) manteve, por unanimidade, a taxa de juros de curto prazo em 1%, o nível mais baixo em 45 anos, em meio a sinais de que a recuperação da economia dos EUA está ganhando impulso, e afirmou que a as taxas vão continuar baixas por um "período considerável" de tempo. Os membros do Fed disseram que a deflação continua sendo o maior risco que a economia enfrenta e citaram preocupações acerca da debilidade do mercado de trabalho."O Comitê continua acreditando que uma postura acomodativa da política monetária, juntamente com um crescimento robusto da produtividade, está dando um apoio contínuo e importante para a atividade econômica", afirma o Fed. A decisão não surpreende o mercado financeiro norte-americano, já que os economistas esperavam que a taxa ficaria inalterada.A última redução dos juros foi em junho, quando a taxa foi reduzida 0,25 pontos porcentais. O Fed já reduziu a taxa de juros 13 vezes desde janeiro de 2001. Os cortes recentes pretentem estimular um crescimento mais rápido da economia em 2004 e o Fed não deverá considerar a hipótese de elevar a taxa até pelo menos meados do ano que vem, segundo analistas.O índice de inflação nos EUA tem caído nos últimos anos e está hoje pouco acima de 1%. Alguns economistas temem que se os dados sobre emprego não melhorarem logo, os gastos com consumo vão começar a esfriar, retirando uma sustentação importante para a recuperação econômica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.